22/07/2024

CFM defende no STF proibição da assistolia fetal em casos de estupro

Reprodução

O presidente do CFM, José Hiran, conversou com Alexandre de Moraes e afirmou que indução do parto após 22 semanas é medida mais indicada

O presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), José Hiran Silva Gallo, foi até o Supremo Tribunal Federal (STF) para conversar com o ministro Alexandre de Moraes sobre assistolia fetal. Moraes suspendeu uma resolução do CFM que proíbe o uso da técnica clínica de assistolia fetal para a interrupção de gestações acima de 22 semanas decorrentes de estupro.

A liminar de Moraes está em plenário virtual para referendo da Corte. José Hiran conversou com o ministro por cerca de 15 minutos. Durante o encontro reiterou o posicionamento do conselho acerca da proibição do método e entregou um memorial de como é feito o procedimento. “A técnica de assistolia fetal é prejudicial ao feto e para a mãe também. É cruel. Defendemos que seja feito outro método”, disse o presidente do CFM.

José Hiran ressaltou que as mulheres estupradas “sempre terão total apoio dos médicos brasileiros”, mas que a assistolia deve continuar proibida. O presidente do CFM defendeu que um método alternativo para se interromper a gravidez seria a indução do parto, pois acima de 22 semanas, o bebê pode nascer com vida e ser levado para a adoção.

“O CFM apoia a mulher brasileira e repudia qualquer tipo de agressão à mulher, principalmente o conselho. Tem que ter agilidade do sistema para atender a mulher, 22 semanas é o sistema que prevê. Se não tiver atendimento precoce é uma falha do sistema de saúde”, disse.

Decisão

A decisão liminar de Alexandre de Moraes determinou a suspensão da proibição do método chamado de assistolia fetal, que consiste no uso de medicações para interromper os batimentos cardíacos do feto, garantindo com que ele seja retirado do útero sem sinais vitais. Video

O procedimento é recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) quando há necessidade de interromper gestações que tenham avançado mais de 20 semanas, mas era proibido pelo CFM.

A decisão se deu em ação do PSol. O partido alegou que o CFM não proibia a aplicação da técnica em casos de anencefalia e risco de vida às gestantes, também previstos em lei

A sigla defendeu que o procedimento não é apenas “o mais indicado, em termos de saúde física, para casos de gestações com mais de 22 semanas, como também mais seguro e emocionalmente mais apropriado, contribuindo para a resolutividade de casos que, não raro, demoram a chegar nos serviços, como comumente são os de violência sexual”.

“A proibição do procedimento submete meninas e mulheres à manutenção de uma gestação compulsória ou à utilização de técnicas inseguras para o aborto, privando-as do acesso ao procedimento e à assistência adequada por vias legais, submetendo-as a riscos de saúde ou morte”, afirmou o partido na petição inicial.

Segundo o Psol, o órgão “restringe, de maneira absolutamente discricionária, a liberdade científica e o livre exercício profissional de médicos e médicas, impactando diretamente o direito ao aborto legal de meninas, mulheres e pessoas grávidas vítimas de estupro, porque proíbe um cuidado de saúde crucial para o aborto”.

Tribuna Livre, com informações do Conselho Federal de Medicina (CFM)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
União Brasil não define candidato para SP, mas fica perto de acordo com Nunes
União Brasil não define candidato para SP, mas fica perto de acordo com Nunes
Pesquisa aponta Nunes e Boulos à frente da disputa pela Prefeitura de SP
Pesquisa aponta Nunes e Boulos à frente da disputa pela Prefeitura de SP
Chico Alencar critica apatia do Conselho de Ética em análise sobre Brazão
Chico Alencar critica apatia do Conselho de Ética em análise sobre Brazão
Bolsonaro diz que Ramagem "está pagando preço alto" pela coragem
Bolsonaro diz que Ramagem "está pagando preço alto" pela coragem 
Senado cria GT para debater regulamentação da reforma tributária
Senado cria GT para debater regulamentação da reforma tributária
Bolsonaro diz que Witzel pediu vaga no STF para blindar Flávio em investigação
Bolsonaro diz que Witzel pediu vaga no STF para blindar Flávio em investigação
Taxad e Zé do Taxão
Taxad e Zé do Taxão. Ministro da Fazenda vira meme nas redes sociais
Câmara aprova definição do marco legal do hidrogênio verde
Câmara aprova definição do marco legal do hidrogênio verde
Atentado a Trump é bofetão nos “salvadores da democracia”.Acima, Donald Trump durante comício na Pensilvânia em 3 momentos: ele discursando, ele levando a mão à orelha direita depois de disparos e ele sendo levado para fora do palco com sangue no rosto
Atentado a Trump é bofetão nos “salvadores da democracia”.
Reforma tributária vai tramitar sem urgência no Senado
Reforma tributária vai tramitar sem urgência no Senado
Mendonça dá 30 dias para conclusão de acordos de leniência da Lava-Jato
Mendonça dá 30 dias para conclusão de acordos de leniência da Lava-Jato
Reforma tributária: herança na mira de mais taxação
Reforma tributária: herança na mira de mais taxação

Apagão global cibernético afeta bancos e aeroportos em todo mundo

Um apagão cibernético está causando atrasos em voos, impactando os serviços bancários e de comunicação globalmente nessa sexta-feira Na manhã desta sexta-feira (19/7) diversos países registraram problemas técnicos que afetaram operações de companhias aéreas internacionais, empresas ferroviárias e do setor de telecomunicações, entre outros. Segundo a Administração Federal de Aviação

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.