21/06/2024

Giro pelo Oriente tenta atrair recursos para Rio Grande do Sul

Alckmin chega ao Oriente Médio e à Ásia com a obrigação não apenas de estreitar laços diplomáticos, mas, também, de buscar investimentos - (crédito: Cadu Gomes/VPR)

Tragédia gaúcha está no alto da pauta da comitiva liderada por Alckmin, que vai à Arábia Saudita e à China em busca de investimentos nos setores de infraestrutura. Pretende trazer, também, soluções tecnológicas de enfrentamento aos extremos climáticos

A comitiva brasileira que seguiu ontem para a Arábia Saudita e para a China, chefiada pelo vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, leva na bagagem não apenas a proposta de fechamento de acordos bilaterais entre o Brasil e esses países. Desta vez, uma das preocupações é atrair investimentos e serviços para o esforço de reconstrução do Rio Grande do Sul, em parte devastado pela enchente. Não apenas por causa do peso do estado na formação do Produto Interno Bruto (PIB), mas porque reerguê-lo também representará oportunidades — sobretudo com soluções de infraestrutura que o tornem menos vulnerável aos fenômenos climáticos extremos.

Por sinal, mudanças estruturais para as cidades — com absorção de novas tecnologias e modernização de estruturas — estão no alto das prioridades da comitiva que desembarca em Riad e, na sequência, em Pequim. O Rio Grande do Sul tem tudo para ser a porta de entrada de novos elementos de reconstrução — criando condições para que sejam replicados em outros estados brasileiros.

Para o coordenador de Comércio Internacional da BMJ Consultores Associados, Josemar Franco, sobretudo em relação aos chineses, os brasileiros terão a oportunidade de avançar na diversificação dos produtos exportados. Atualmente, a pauta brasileira se baseia em soja, carnes e minérios — especialmente o ferro —, mas a pretensão é expandi-la para frutas, sorgo, nozes e gergelim. Para os chineses, o foco é infraestrutura.

“O Brasil está com uma vantagem muito robusta para ampliar sua infraestrutura. E tem a questão do Rio Grande do Sul — a China pode ser um parceiro estratégico. Tem também a expansão dos Brics, pretendida pela China e que o Brasil apoia com certa timidez”, frisou.

Prioridade

Para Rubens Barbosa, presidente do Instituto de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Irice) e ex-embaixador do Brasil em Londres e em Washington, as conexões com os sauditas e chineses devem ser tratadas como prioritárias. Afinal, os dois países enxergam no Brasil muitas oportunidades de negócios — sobretudo por causa do empenho demonstrado pelo governo federal com o esforço de recuperação do Rio Grande do Sul, para o qual, até agora, foram liberados R$ 62,5 bilhões para a retomada das indústrias, empresas e serviços.

“A ideia de um projeto de integração física, com a construção de um corredor ferroviário chegando a um porto no (Oceano) Pacífico, e aproveitando a alta tecnologia chinesa nesse setor, poderia começar a ser examinada pelos dois lados”, pontua o embaixador aposentado.

Márcio Coimbra, presidente do Instituto Monitor da Democracia e vice-presidente da Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), ressalta que o objetivo do governo federal nessa passagem pela Arábia Saudita e pela China é a busca de investimentos na área de transição energética, infraestrutura e agronegócio. Porém, ele vê com restrições a captação de recursos chineses.

“É uma espécie de investimento predatório, que acaba aprisionando várias nações com alta dívida com o governo chinês. O Brasil deveria pensar em instrumentos de avaliação dos investimentos externos”, adverte.

A comitiva chefiada por Alckmim é integrada pelos ministros Carlos Fávaro (Agricultura), Simone Tebet (Planejamento e Orçamento), Rui Costa (Casa Civil), Wellington Dias (Desenvolvimento Social), Márcio França (Empreendedorismo) e Paulo Teixeira (Desenvolvimento Agrário). Integram o grupo os presidentes da Apex Brasil, Jorge Viana, e da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Ricardo Cappelli.

Tribuna Livre, com informações da Secom/PR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
CFM defende no STF proibição da assistolia fetal em casos de estupro
CFM defende no STF proibição da assistolia fetal em casos de estupro
Petista mostra a língua durante discurso de bolsonarista na Câmara
Petista mostra a língua durante discurso de bolsonarista na Câmara
Congresso prepara pacote contra a impunidade; conheça as propostas
Congresso prepara pacote contra a impunidade; conheça as propostas
Ciro diz a Nunes que PP aceita vice indicado por Bolsonaro e Tarcísio
Ciro diz a Nunes que PP aceita vice indicado por Bolsonaro e Tarcísio
OAB envia a Lira parecer contra PL do Aborto: “Cruel e grosseiro”
OAB envia a Lira parecer contra PL do Aborto: “Cruel e grosseiro”
Com 88% contra, enquete oficial sobre PL Antiaborto alcança 1 milhão de votos
Com 88% contra, enquete oficial sobre PL Antiaborto alcança 1 milhão de votos
Presidente do partido Solidariedade se entrega à Polícia Federal
Presidente do partido Solidariedade se entrega à Polícia Federal
Autor de "PL antiaborto" vai propor aumento da pena de estupro para 30 anos
Autor de "PL antiaborto" vai propor aumento da pena de estupro para 30 anos
Câmara aprova projeto que pode suspender mandato de deputado brigão
Câmara aprova projeto que pode suspender mandato de deputado brigão
Nome de Eurípedes é incluído na lista vermelha da Interpol
Nome de Eurípedes é incluído na lista vermelha da Interpol
Câmara pode votar projeto que equipara aborto ao crime de homicídio
Câmara pode votar projeto que equipara aborto ao crime de homicídio
Confirmado por Haddad: Novo decreto do Banco Central atinge em cheio as poupanças e abala Caixa, Itaú e +
Confirmado por Haddad: Novo decreto do Banco Central atinge em cheio as poupanças e abala Caixa, Itaú e +

Leilão de arroz: presidente da Comissão de Agricultura fala em fraude

Ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, prestou esclarecimentos à Comissão na Câmara sobre leilão para compra de arroz feito pelo governo O presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES), chamou o leilão de arroz realizado pelo governo federal de “esquema fraudulento”. O

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.