26/05/2024

Israel faz ofensiva diplomática para sufocar o Irã

Soldado israelense posicionado em frente a uma bateria do sistema de defesa aérea Domo de Ferro, perto de Jerusalém - (crédito: AFP)

Chanceler israelense envia cartas a 32 países pedindo a adoção de sanções contra o projeto de mísseis da República Islâmica, em meio à definição sobre represália militar ao ataque do fim de semana. Teerã alerta que a resposta será severa

Enquanto decide a extensão do contra-ataque militar ao Irã, Israel lançou ontem uma ofensiva diplomática para tentar sufocar o arqui-inimigo com novas sanções econômicas. O ministro israelense de Relações Exteriores, Israel Katz, anunciou ter enviado cartas para 32 países solicitando medidas para atingir o projeto de mísseis da República Islâmica e para que o Corpo da Guarda Revolucionária seja declarado como uma organização terrorista.

“O Irã deve ser parado agora, antes que seja tarde demais”, disse o chanceler. Entre os países aos quais a solicitação política foi direcionada estão os Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Japão, Canadá, França, Itália, Índia e Austrália. De antemão, a secretária de Tesouro americana, Janet Yellen, assegurou que Washington “não hesitará” em intensificar as sanções contra Teerã.

O alto representante para a política externa da União Europeia, Josep Borrell, antecipou que já há planos de ampliá-las. Ameaças mútuas O anúncio de Katz detonou uma nova rodada de ameaças entre os dois países. Por meio de um comunicado divulgado por seu gabinete, o presidente do Irã, Ebrahim Raisi, disse que responderá “severamente” à “menor ação” do Estado judeu contra os interesses de Teerã. “Agora, declaramos firmemente que a menor ação contra os interesses do Irã provocará uma resposta severa, extensa e dolorosa contra todos os seus perpetradores”, destacou Raisi, na noite anterior, durante um telefonema ao emir do Qatar, Tamim ben Hamad Al Thani.

Durante a conversa, ao falar do ataque do fim de semana — o primeiro a partir do território iraniano contra Israel —, Raisi disse que Teerã exerceu “seu direito de autodefesa”. O lançamento de mais de 300 drones e mísseis foi, segundo o Irã, uma resposta ao assassinato, por Israel, de um general iraniano sênior em um edifício diplomático iraniano em Damasco, Síria. Israel não confirmou nem negou o envolvimento. O governo israelense, por sua vez, reiterou que haverá um revide militar. “Não podemos ficar com os braços cruzados ante tamanha agressão, o Irã não sairá impune”, afirmou o porta-voz do Exército israelense, Daniel Hagari.

“Disparar 110 mísseis diretamente contra Israel não ficará impune. Responderemos no momento, no local e da forma que determinarmos”, acrescentou. Moderação O tom das declarações passa longe dos apelos por moderação do Ocidente, que teme uma escalada no Oriente Médio, onde Israel está em guerra com o movimento islamista palestino Hamas na Faixa de Gaza há mais de seis meses. O premiê israelense, Benjamin Netanyahu, pediu na segundafeira à comunidade internacional para “permanecer unida” diante da agressão do Irã.

Mas os dirigentes das principais potências internacionais pedem cautela. O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, indicou que Washington não vai participar de uma ação de represália, apesar de seu apoio inabalável a Israel. Por sua vez, o presidente russo, Vladimir Putin, advertiu a seu par e aliado iraniano que uma escalada no Oriente Médio teria “consequências catastróficas para toda a região”, segundo o Kremlin. No Reino Unido, o primeiro-ministro Rishi Sunak instou Netanyahu a agir com “sangue-frio” após o ataque. “Uma escalada significativa não redundaria em interesse de ninguém e só vai aprofundar a insegurança no Oriente Médio”, insistiu.

Para o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, o ataque iraniano é culpa de Netanyahu e sua “sangrenta administração”. Hezbollah Desde a fundação da República Islâmica, o Irã pede a destruição de Israel, mas até agora, havia evitado atacar Israel frontalmente. Os dois países travaram confrontos indiretos, em particular em operações que envolvem os aliados de Teerã, como o movimento libanês Hezbollah e os rebeldes huthis do Iêmen.

Ontem, o Hezbollah anunciou a morte de três de seus membros, entre eles o comandante Ismail Youssef Baz, em bombardeios israelenses no sul do Líbano, de onde o movimento xiita apoiado pelo Irã lançou ataques contra o norte de Israel. Segundo uma fonte próxima ao movimento libanês, Baz estava à frente da região de Nagura e participou “na promoção e no planejamento do disparo de foguetes e mísseis antitanques contra Israel”.

Ajuda a Gaza

A Organização das Nações Unidas (ONU) lança, hoje, um apelo por US$ 2,8 bilhões (R$ 14,4 bilhões na cotação atual) em doações para ajudar a população palestina na Faixa de Gaza e na Cisjordânia ao longo deste ano. “Obviamente, 90% são para Gaza”, disse Andrea De Domenico, chefe do escritório humanitário da ONU nos Territórios Palestinos.

Segundo De Domenico, a programação para 2024 estava inicialmente fixado em US$ 4 bilhões (R$ 20,7 bilhões), mas foi reduzida devido à limitação do acesso de Israel à ajuda humanitária na região. Os valores arrecadados serão destinados a 3 milhões de pessoas identificadas na Cisjordânia e em Gaza. Poucos dias depois do ataque do Hamas contra Israel, em 7 de outubro do ano passado, e do início da ofensiva de retaliação israelense na Faixa de Gaza, a ONU organizou um pedido para enfrentar a emergência no valor de US$ 294 milhões (R$ 1,5 bilhão).

Em pouco tempo, o cálculo foi quadruplicado. Ontem, o Ministério da Saúde da Faixa de Gaza, governada pelo movimento islamista palestino Hamas, anunciou que 33.843 pessoas morreram no enclave desde o início do conflito — o número de feridos é superior a 76,5 mil. Apenas entre segunda-feira e ontem, de acordo com o levantamento, foram 46 óbitos. Na segunda-feira, Israel libertou 150 prisioneiros palestinos capturados durante a sua ofensiva militar no enclave, de acordo com a autoridade que controla as passagens fronteiriças no estreito território.

“É claro que esses presos sofreram maus-tratos graves, porque alguns deles foram levados para o Hospital Abu Yusef al Najjar para serem tratados lá”, disse o porta-voz Hisham Adwan. O Exército israelense não comentou a libertação, mas afirmou que é “absolutamente proibido” maltratar prisioneiros.

Tribuna Livre, com informações da Agence France Presse

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
CUBAEstado Maior Central: a ameaça da dissidência das Farc que levou Colômbia a lançar 'ofensiva total'
Estado Maior Central: a ameaça da dissidência das Farc que levou Colômbia a lançar 'ofensiva total'
MUNDO 2Nove morrem após estrutura de palco desabar em comício no México; vídeo
Nove morrem após estrutura de palco desabar em comício no México; vídeo
ELVISPor que leilão da mansão de Elvis Presley foi barrado pela Justiça
Por que leilão da mansão de Elvis Presley foi barrado pela Justiça
MUNDO 2Crise entre Argentina e Espanha se agrava após saída de embaixadora
Crise entre Argentina e Espanha se agrava após saída de embaixadora
MUNDO 1Conheça a vespa asiática que colocou o Reino Unido em alerta
Conheça a vespa asiática que colocou o Reino Unido em alerta
Irã acelera sucessão e convoca eleições após morte do presidente
Irã acelera sucessão e convoca eleições após morte do presidente
O que ocorre após emissão de pedido de prisão contra Netanyahu?
O que ocorre após emissão de pedido de prisão contra Netanyahu?
Helicóptero com presidente do Irã, Ebrahim Raisi, sofre acidente
Helicóptero com presidente do Irã, Ebrahim Raisi, sofre acidente
Israel diz que acusação de 'genocídio' em Gaza está desconectada dos fatos
Israel diz que acusação de 'genocídio' em Gaza está desconectada dos fatos
Israel: disparo das forças do próprio país mata 5 de seus soldados em Gaza
Israel: disparo das forças do próprio país mata 5 de seus soldados em Gaza
O homem que lança garrafas com arroz no mar para salvar vidas na Coreia do Norte
O homem que lança garrafas com arroz no mar para salvar vidas na Coreia do Norte
X tem decisão favorável na Austrália em batalha por publicação de conteúdo violento
X tem decisão favorável na Austrália em batalha por publicação de conteúdo violento

DF amplia malha cicloviária e chega a 687 quilômetros de pistas

‌Desde 2019, foram construídos 220,52 km; capital tem a segundo maior conjunto de vias para ciclistas no país. GDF trabalha para interligar trechos e aumentar a mobilidade da população A malha cicloviária do Distrito Federal tem aumentado nos últimos anos. Atualmente, ela tem uma extensão de 687,12 km, distribuída em

Leia mais...

Marinhas do Brasil e dos EUA realizam operação em apoio ao RS

Operação tem como objetivo transferir doações para as vítimas das enchentes no estado de maneira mais ágil A Marinha do Brasil (MB) conduz, na próxima segunda-feira (27/5), uma operação de apoio à população do Rio Grande do Sul em meio à situação de calamidade pública causada pelas enchentes. A ação

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.