27/02/2024

Pacote agrícola já está em vigor, mas valor dos subsídios é dúvida

Bancos anunciam linhas de crédito, mas Tesouro ainda não definiu taxas de equalização dos financiamentos

A principal delas se refere à lista de bancos que irão operar com taxa de juros equalizada e qual será o valor.

O subsecretário de Política Agrícola e Negócios Agroambientais da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Gilson Bittencourt, havia anunciado para o início da semana passada a publicação da portaria do Tesouro Nacional disciplinando a distribuição de recursos entre as instituições financeiras, mas, até a última sexta-feira, o documento não havia sido publicado. Procurada pelo Correio, a assessoria do Tesouro informou que a portaria deve sair nos próximos dias.

Alguns bancos, no entanto, já lançaram os seus pacotes, dentro das novas regras do plano, mesmo sem a equalização, mas com os juros controlados previstos no plano anunciado no final de junho pelo governo.

O Banco do Brasil, por exemplo, líder no financiamento da agricultura, liberou R$ 240 bilhões para a safra 2023/2024, volume 27% superior ao observado na safra passada. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) disporá de créditos de R$ 38,4 bilhões.

Bancos privados e cooperativas de crédito também poderão participar. De acordo com Bittencourt, 26 instituições financeiras disputam o acesso ao subsídio nas taxas de juros, o que possibilitou ao governo reduzir os custos da subvenção em relação ao ano safra anterior. O governo está, neste momento, selecionando os bancos que estarão aptos a operar com o crédito rural.

Somando a agricultura familiar a e empresarial, os recursos chegam a R$ 435,8 bilhões. “Parte importante desses recursos, mais de R$ 130 bilhões está sendo equalizada diretamente pelo Tesouro Nacional”, salientou o subsecretário.

Prazos diluídos e CAR

Embora celebrem o Plano Safra 2023/2024 como conquista histórica, tanto em termos de volume quanto em facilidades no crédito, lideranças do campo veem com ressalva alguns aspectos. Na área empresarial, o principal desafio é fazer com que haja continuidade na liberação dos recursos, garantindo a produção ao longo de todo o ano.

O vice-presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), José Mário Schreiner, conta que no ano passado os recursos se esgotaram logo no início do ano, e produtores que recorreram aos bancos no final de 2022 ou no início deste ano não tiveram mais acesso ao crédito.

“O grande desafio é ver o recurso chegar de forma contínua, sem ruptura e sem falhas no meio do caminho. Vamos acompanhar a liberação de recursos para que eles possam chegar aos produtores rurais. E que eles possam, dentro do seu planejamento, comprar seus insumos, suas sementes, e fazer aquilo que sabem fazer com maestria que é plantar e produzir para que tenhamos novamente uma grande safra em 2023 e 2024”, afirmou Schreiner.

Segundo Gilson Bittencourt, o problema não se repetirá este ano, uma vez que houve uma negociação entre governo e instituições que prevê a distribuição da subvenção ao longo do ano. Dessa maneira, os bancos devem apresentar a expectativa de desembolso ao longo do ano por trimestre, evitando que os recursos se esgotem.

Meio ambiente

Outra preocupação do Agro se refere ao prêmio oferecido aos produtores rurais que investirem na preservação do meio ambiente. O Plano Safra reduziu em 0,5 ponto percentual os juros dos financiamentos de custeio para produtores que adotam práticas agropecuárias sustentáveis, como produção orgânica ou agroecológica.

As regras do Plano Safra dizem que, para ser contemplado, o produtor terá que ter o Cadastro Ambiental Rural (CAR) já analisado pelos governos federal e estadual.

Segundo Schreiner, embora o produtor rural brasileiro já pratique uma agricultura e pecuária sustentáveis, apenas 20% tiveram o CAR analisado. “A análise do CAR é de responsabilidade dos governos federal e estaduais, não é culpa do produtor. Portanto, não podemos concordar com um critério como esse para se ter acesso a uma política pública. Precisa haver celeridade no processo”, diz.

Sobre os juros, o vice-presidente da CNA acredita que poderiam ser melhores, mas “o mais importante é ter o recurso garantido”.

O plano prevê juros de 8% ao ano para custeio e comercialização para os produtores enquadrados no Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) e de 12% ao ano para os demais programas. Já para investimentos, as taxas variam entre 7% e 12,5% ao ano, de acordo com o programa.

O Plano Safra 2023/24 passou a valer oficialmente em 3 de julho, mas ainda há muitas dúvidas entre os produtores em relação ao pacote oferecido pelo governo para este ano safra.

(crédito: COOPA-DF/Divulgação)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Minha casa minha vida (Tuca Melges - Estadão Conteúdo)
O Ministério das Cidades está preparando a aquisição de energia sustentável para os lares do programa Minha Casa, Minha Vida
SAUDE
Planos de saúde têm 900 queixas por dia; saiba o motivo
Vaca leiteira é preparada para exposição durante primeiro dia da Agroleite
Alto custo na criação de vacas causa prejuízo para produtores de leite
megasena
Uma aposta ganha prêmio de mais de R$ 40 milhões da Mega-Sena
Com justificativas vazias para aumentar cobranças, companhias aéreas veem reclamações explodirem
Com justificativas vazias para aumentar cobranças, companhias aéreas veem reclamações explodirem
Tebet: Precisamos achar recurso para pagar salário mínimo de R$ 1.421
Tebet: Precisamos achar recurso para pagar salário mínimo de R$ 1.421
Operação Guarujá
Presidente do TJ-SP suspende decisão que obriga todos os policiais da Operação Escudo a usar câmeras corporais
ECO
Banco do Brasil levanta quase US$ 1 bilhão para projetos ambientais
JUROS
BC volta a reduzir taxa de juros em 0,5 ponto percentual, para 12,75%
ECO
Shein cobre ICMS de compras de até US$ 50 a partir desta terça
BALANÇA
Exportações crescem 17,2% até a terceira semana de setembro, diz MDIC
DINHEIRO
Governo prevê recuperar R$ 46 bilhões em débitos da Dívida Ativa em 2024

Combate à dengue é tema de quatro cursos online para servidores

Formações são indicadas para profissionais da educação e da saúde. As aulas são gratuitas e online, podendo ser assistidas a qualquer momento pelos participantes A Escola Superior de Ciências da Saúde (Escs) oferece quatro cursos relacionados ao combate à dengue para servidores da saúde e da educação. As capacitações são

Leia mais...

DF ultrapassa um milhão de cadastros atualizados no SUS

Mais de 97% das atualizações do Recadastra SUS foram feitas presencialmente; com dados dos usuários mais confiáveis, a rede pública consegue otimizar a fila de espera por exames e consultas Sete meses após lançar a campanha Recadastra SUS, o Distrito Federal chegou a 1.054.928 cadastros atualizados no Sistema Único de

Leia mais...

Caesb disponibiliza serviço gratuito de autoleitura de hidrômetros

Todos os clientes da companhia podem aderir à iniciativa, especialmente aqueles que não conseguem receber leiturista em casa durante o dia Pensando no conforto e bem-estar dos brasilienses, a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) disponibiliza o serviço de autoleitura, no qual o próprio usuário fornece a leitura

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.