22/07/2024

Por que Vietnã desafia os EUA para receber Putin

A região central de Hanói possui uma estátua de Lênin - (crédito: Getty Images)

A viagem de Putin ao Vietnã está sendo interpretada como uma demonstração do apoio que a Rússia ainda possui na região.

Os líderes do Vietnã e da Rússia disseram nesta quinta-feira (20/6) que querem reforçar os laços entre os países em uma reunião na capital vietnamita, Hanói.

O presidente do Vietnã, To Lam, elogiou muito o russo Vladimir Putin, parabenizando-o por sua recente reeleição.

Putin disse que o fortalecimento de uma parceria estratégica com o país do sudeste asiático é uma das prioridades da Rússia.

A viagem de Putin ao Vietnã,  que acontece imediatamente após sua passagem pela Coreia do Norte , está sendo interpretada como uma demonstração do apoio diplomático que a Rússia ainda possui na região.

“Parabéns ao nosso camarada por receber um apoio esmagador durante as recentes eleições presidenciais, ressaltando a confiança do povo russo”, disse Lam ao receber Putin com tapete vermelho.

Os Estados Unidos criticaram o Vietnã por oferecer uma plataforma a Putin para promover a sua guerra contra a Ucrânia.

O Vietnã valoriza os laços históricos que tem com a Rússia, ao mesmo tempo que trabalha para melhorar a sua relação com a Europa e os EUA.

Em um pequeno parque em Ba Dinh, o bairro político de Hanói, uma estátua de Lênin com cinco metros de altura retrata o revolucionário russo em pose heróica. Todos os anos, no seu aniversário, uma delegação de altos funcionários vietnamitas deposita flores e se curva diante da estátua — um presente da Rússia do tempo da União Soviética.

Os laços do Vietnã com a Rússia são estreitos e remontam a muitas décadas, desde o vital apoio militar, econômico e diplomático dado pela União Soviética ao novo Estado comunista no Vietnã do Norte na década de 1950.

O Vietnã descreveu a sua relação como “repleta de lealdade e gratidão”. Depois de o Vietnã ter invadido o Camboja em 1978 para expulsar o regime do Khmer Vermelho, o país ficou isolado e foi sancionado pela China e pelo Ocidente, passando a depender fortemente da assistência soviética. Muitos vietnamitas de gerações mais antigas, incluindo o poderoso secretário-geral do partido comunista, Nguyen Phu Trong, estudaram na Rússia e aprenderam o idioma.

Hoje, a economia do Vietnã foi transformada pela sua integração nos mercados globais. A Rússia ficou muito atrás da China, da Ásia, dos EUA e da Europa como parceiro comercial. Mas o Vietnã ainda utiliza principalmente equipamento militar fabricado na Rússia e depende de parcerias com empresas petrolíferas russas para a exploração de petróleo no Mar do Sul da China.

A invasão da Ucrânia apresentou ao Vietnã um dilema diplomático.

O país optou por se abster nas várias resoluções das Nações Unidas que condenam as ações da Rússia, mas manteve boas relações com a Ucrânia e até enviou alguma ajuda a Kiev. Os dois países têm um legado comum da era soviética: milhares de vietnamitas trabalharam e estudaram na Ucrânia.

Tudo isto está de acordo com os princípios de longa data da política externa do Vietnã de ser amigo de todos os países, mas evitando alianças formais — o que a liderança do partido comunista chama de “diplomacia de bambu”, curvando-se aos ventos da rivalidade entre grandes potências sem ser forçado a tomar lados.

É por isso que o Vietnã melhorou as suas relações com os EUA — um país contra o qual os seus líderes mais antigos travaram uma guerra longa e destrutiva — com o interesse de procurar mercados lucrativos para as exportações vietnamitas e de equilibrar os seus laços estreitos com o seu vizinho gigante, a China.

Os EUA criticaram a visita oficial de Putin ao Vietnã, alegando que ela prejudica os esforços internacionais para isolá-lo, mas não se disseram surpresos. Além das ligações históricas especiais com a Rússia, o sentimento público no Vietnã sobre a guerra na Ucrânia é mais ambivalente do que na Europa.

Há alguma admiração por Putin como um homem forte que desafia o Ocidente.

Isto também se aplica a outros países asiáticos, onde a guerra na Ucrânia é vista como uma crise distante.

Na Tailândia, por exemplo, um aliado militar histórico dos EUA que esteve do lado oposto da Rússia durante a Guerra Fria, a opinião pública está tão dividida como no Vietnã.

Os tailandeses também valorizam os laços mais antigos entre a sua monarquia e os czares pré-revolucionários da Rússia, e o governo tailandês mantém hoje relações estreitas com a Rússia — valorizando a contribuição que milhões de russos dão à sua indústria turística.

Por quanto tempo o Vietnã manterá a sua camaradagem com Putin é incerto. O país já está à procura de fontes alternativas de equipamento militar, mas acabar com a sua atual dependência da Rússia levará anos.

Uma série de recentes demissões de alto nível dentro do partido comunista sugere intensas rivalidades internas sobre a próxima geração de líderes e, potencialmente, sobre a direção que o país irá tomar.

Mas ainda não se fala no Vietnã em abandonar o projeto de ser amigo de todos — e inimigo de ninguém.

Tribuna Livre, com informações da BBC News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Após escapar da morte, Trump retoma campanha: "Tomei tiro pela democracia"
Após escapar da morte, Trump retoma campanha: "Tomei tiro pela democracia"
Apagão global cibernético afeta bancos e aeroportos em todo mundo
Apagão global cibernético afeta bancos e aeroportos em todo mundo
Incêndio no sudeste da França deixa sete mortos
Incêndio no sudeste da França deixa sete mortos
Milei demite subsecretário que cobrou desculpas de atletas por ato racista
Milei demite subsecretário que cobrou desculpas de atletas por ato racista
Elon Musk se compromete com US$ 45 milhões por mês para apoiar Trump
Elon Musk se compromete com US$ 45 milhões por mês para apoiar Trump
Morte em massa de peixes causa fechamento de lago nos EUA; entenda
Morte em massa de peixes causa fechamento de lago nos EUA; entenda
Fuzil usado em atentado contra Trump foi comprado pelo pai do atirador
Fuzil usado em atentado contra Trump foi comprado pelo pai do atirador
FBI afirma que atirador agiu sozinho em atentado contra Trump
FBI afirma que atirador agiu sozinho em atentado contra Trump
Trump sofre ataque a tiros, mas está bem; atirador e apoiador morrem Bala pegou de raspão na orelha direita do ex-presidente dos EUA; atentado ocorreu durante comício na Pensilvânia
Trump sofre ataque a tiros, mas está bem; atirador e apoiador morrem Bala pegou de raspão na orelha direita do ex-presidente dos EUA; atentado ocorreu durante comício na Pensilvânia.
Incêndio atinge torre de catedral gótica na França
Incêndio atinge torre de catedral gótica na França.
Homem mata três mulheres com arco e flecha e é "caçado" pela polícia
Homem mata três mulheres com arco e flecha e é "caçado" pela polícia
O terremoto político no Irã que permitiu eleição de presidente reformista
O terremoto político no Irã que permitiu eleição de presidente reformista

Apagão global cibernético afeta bancos e aeroportos em todo mundo

Um apagão cibernético está causando atrasos em voos, impactando os serviços bancários e de comunicação globalmente nessa sexta-feira Na manhã desta sexta-feira (19/7) diversos países registraram problemas técnicos que afetaram operações de companhias aéreas internacionais, empresas ferroviárias e do setor de telecomunicações, entre outros. Segundo a Administração Federal de Aviação

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.