21/06/2024

Rotina intensa e união pela dor: os dias da primeira equipe humanitária do DF no RS

A tenente-coronel Paula Tiemy lembra que a equipe do CBMDF foi a primeira a chegar em São Leopoldo | Foto: Joel Rodrigues/ Agência Brasília

A comandante da operação que deslocou os militares de Brasília para São Leopoldo e Bento Gonçalves conta como foram os complexos trabalhos de resgates durante os 15 dias de missão

Poucas horas de sono, banhos gelados e trabalho extenuante. Assim foi a rotina da primeira equipe do Distrito Federal enviada ao Rio Grande do Sul para auxiliar nos resgates em meio à catástrofe provocada pelas fortes chuvas. O grupo era composto por 14 militares e dois cães de busca e salvamento do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) e dois agentes da Defesa Civil. A atuação da equipe foi crucial em diversas frentes, como a busca e o resgate de vítimas nos locais alagados em São Leopoldo e nas áreas de deslizamento em Bento Gonçalves. Ao longo da primeira fase da operação, 156 pessoas foram resgatadas, entre elas, 20 crianças. Além disso, foram salvos 80 animais.

A autorização do Governo do Distrito Federal (GDF) para o envio de uma equipe ao Rio Grande do Sul chegou em 2 de maio. O grupamento passou a madrugada de quinta para sexta-feira preparando a logística para, na manhã do dia seguinte, partir com viaturas e embarcações. Foram dois dias e meio de viagem e, quando a equipe estava chegando a Porto Alegre, cidade designada a princípio, a ordem foi de alterar a rota para São Leopoldo, que apresentava um nível de destruição maior. Com o desvio de percurso, os bombeiros chegaram na cidade às 11h. Por volta das 14h, já estavam com duas embarcações e militares atuando dentro d’água.

Quem comandou a operação do CBMDF foi a tenente-coronel Paula Tiemy. Ela conta que, assim que as equipes chegaram ao bairro central de São Leopoldo, muitos populares cercaram as embarcações pedindo ajuda e direcionando os bombeiros às casas, ruas e apartamentos onde havia vítimas que necessitavam de ajuda. A equipe de socorro do DF foi a primeira a chegar naquela área. “Eles olharam nossa viatura e disseram ‘nossa, Distrito Federal! Vocês são os primeiros que chegam aqui’. Então a gente se sentiu bem grato pela oportunidade de estar lá e de ajudar aquela população”, lembrou a bombeira.

A comandante da operação descreveu também como foi atuar no auge da catástrofe, quando ainda havia muita dificuldade de comunicação. A equipe ajudava nas informações à maneira antiga, conectando os familiares de barco ou outro meio de transporte. Após a chegada do StarLink, com o celular via satélite disponibilizado pelo governo do Rio Grande do Sul, houve uma melhora na questão logística.

“O Corpo de Bombeiros serviu também como conforto para as famílias que queriam informações, principalmente nos primeiros dias”

Paula Tiemy, tenente-coronel do Corpo de Bombeiros

“Eram cenas de destruição, com muitos civis procurando ajuda e querendo encontrar entes queridos – ou mesmo saber como estavam, porque não havia comunicação, sinal de internet ou celular. O Corpo de Bombeiros serviu também como conforto para as famílias que queriam informações, principalmente nos primeiros dias. As pessoas estavam muito estressadas e com essa sensação de perda”, observou a tenente-coronel.

Alojamento

A equipe ficou alojada no prédio ao lado do quartel do Corpo de Bombeiros de São Leopoldo. Por militares de vários estados já estarem alojados no quartel, não foi possível montar o acampamento. Contudo, ao ver a situação das equipes, o síndico do prédio ao lado convidou o grupamento a ficar no salão de festas. “Tinha banheiro e a ducha da piscina, com água gelada, mas era tudo que a gente precisava: banheiro e um local para repousar”, frisou Paula. Devido ao trabalho intenso, os militares dormiam, em média, duas horas por noite nos primeiros dias, o que soma apenas 14 horas de sono em uma semana inteira.

Nos dias seguintes, o CBMDF foi designado a atuar, junto aos cães Delta e Baruk, na cidade de Bento Gonçalves, devido aos deslizamentos de terra que atingiram a região. Por lá já havia uma parceria com a prefeitura da cidade, que ofeceu um hotel onde a equipe ficou alojada. “A gente tinha seis desaparecidos no Vale dos Vinhedos. Você não imaginava que aquilo tudo era verde e lindo, com casas, e de repente não tinha nada. A gente conversava com as pessoas e elas falavam sem acreditar. E você sentia aquela dor das pessoas, a gente criava um vínculo”, declarou a bombeira.

A militar acrescenta que, mesmo diante de tantas perdas, as pessoas estavam ao lado das equipes diariamente oferecendo comida e ajuda. “A gente se deparou com muitas pessoas que perderam a casa, roupas, alimentos, não sabiam onde iriam dormir – e elas estavam do nosso lado diariamente, oferecendo aquilo que elas não tinham. Por mais que a gente seja treinado e capacitado para momentos de desastre e sofrimento, esse sentimento e essa resiliência foram pontuais nessa missão. É com isso que acredito que a equipe que está lá agora vai voltar”.

Preparo de uma vida

Há 12 anos no Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, a formação e a experiência da tenente-coronel Paula Tiemy, que se formou oficial da corporação em 2012, fez toda a diferença. Ela tem especialização em diversos cursos operacionais na área de busca e resgate, incluindo cursos avançados em estruturas colapsadas, salvamento aquático, busca e resgate com cães e de socorros e urgências (APH). Paula também já trabalhou como subcomandante do Grupamento de Busca e Salvamento, uma unidade especializada em resposta a desastres nos níveis local e nacional. Atualmente é a Chefe da Seção de Logística do Estado Maior Operacional.

“Acredito que todos esses cursos de especialização acabaram me preparando para essa missão de suma importância que o CBMDF teve representando todo o Distrito Federal”, pontuou Tiemy.

Durante os anos de serviço operacional, ela atuou em diversas ocorrências de destaque no DF, como o incêndio no Hospital Santa Lúcia, em 2020, e o incêndio na madeireira em Sobradinho, em 2023. Em 2021, a militar participou da missão no Haiti, que durou 21 dias. Na ocasião, a região sofreu um terremoto de 7,2 graus na escala Richter que deixou cerca de 2,1 mil pessoas mortas e centenas de desabrigados.

“Chegando lá, nos deparamos com estruturas colapsadas em diversas cidades do Haiti. Entretanto, foi um ambiente bem distinto do que no Rio Grande do Sul, devido aos casos de alagamento e deslizamento de terra em diversas cidades. No Sul foi uma situação que você vê em filmes de desastre, com o potencial bem elevado”, descreveu Tiemy.

Paula recorda que, na missão de 2021 no país estrangeiro, para conseguir fazer qualquer operação era necessário o apoio da polícia, por causa dos sequestros que ocorriam nas cidades colapsadas. Ela afirma que a situação a preparou para os saques que também começavam a ocorrer no Rio Grande do Sul, onde houve um trabalho em conjunto com as forças de segurança. “O governo do Rio Grande do Sul começou a colocar policiais militares junto com as embarcações, o que diminui um pouco a onda de saques. O Exército também ajudou muito”.

Continuidade da missão

O grupo que atuou na primeira quinzena após a convocação retornou a Brasília na tarde do dia 21. Uma nova equipe foi enviada para substituir os militares, respeitando o protocolo de renovação a cada 15 dias.

O comandante do centro de comunicação social do CBMDF, coronel Marcos Rangel, ressaltou que a corporação recebe o relatório diário dos militares atuantes demonstrando a situação na região. Atualmente as equipes de São Leopoldo compõem o grupo em Bento Gonçalves. “O gabinete de crise vislumbrou que é melhor colocar todos os esforços em Bento Gonçalves do que em São Leopoldo, onde as águas já baixaram”, explicou o militar.

Tribuna Livre, com informações do Governo do Distrito Federal (GDF)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Frota do BRT Sul é renovada com dez novos ônibus articulados
Frota do BRT Sul é renovada com dez novos ônibus articulados
Governador visita trecho da obra da Epig onde terá novo viaduto e estação do BRT
Governador visita trecho da obra da Epig onde terá novo viaduto e estação do BRT
GDF convoca mais 100 enfermeiros para a rede pública de saúde
GDF convoca mais 100 enfermeiros para a rede pública de saúde
Ação contra o Frio: GDF inaugura abrigo no Gama para pessoas em situação de rua
Ação contra o Frio: GDF inaugura abrigo no Gama para pessoas em situação de rua
Brasília é a segunda capital mais segura do país, aponta Atlas da Violência 2024
Brasília é a segunda capital mais segura do país, aponta Atlas da Violência 2024
Núcleo da Unidade de Internação de Santa Maria disputa prêmio de Melhor Escola do Mundo
Núcleo da Unidade de Internação de Santa Maria disputa prêmio de Melhor Escola do Mundo
UPAs atenderam quase meio milhão de pessoas nos cinco primeiros meses de 2024
UPAs atenderam quase meio milhão de pessoas nos cinco primeiros meses de 2024
Abrigo no Plano Piloto protege 80 pessoas em situação de rua do frio
Abrigo no Plano Piloto protege 80 pessoas em situação de rua do frio
QualificaDF Móvel abre inscrições para capacitação profissional em 4 cidades
QualificaDF Móvel abre inscrições para capacitação profissional em 4 cidades
Inscrições para quase 6 mil vagas em cursos técnicos abrem nesta quinta-feira (20)
Inscrições para quase 6 mil vagas em cursos técnicos abrem nesta quinta-feira (20)
Caesb investe R$ 3,7 milhões em energia limpa e reduz custos operacionais
Caesb investe R$ 3,7 milhões em energia limpa e reduz custos operacionais
Mais de 150 produtores rurais apresentam cartões de vacina de rebanhos contra raiva
Mais de 150 produtores rurais apresentam cartões de vacina de rebanhos contra raiva

Por que Vietnã desafia os EUA para receber Putin

A viagem de Putin ao Vietnã está sendo interpretada como uma demonstração do apoio que a Rússia ainda possui na região. Os líderes do Vietnã e da Rússia disseram nesta quinta-feira (20/6) que querem reforçar os laços entre os países em uma reunião na capital vietnamita, Hanói. O presidente do

Leia mais...

Marcos do Val e Gilvan da Federal batem boca em aeroporto

Episódio ocorre logo depois que os políticos protagonizaram uma discussão na CCJ do Senado Federal O senador Marcos do Val (Podemos-ES) e o deputado Gilvan da Federal (PL-ES) discutiram, na manhã desta quinta-feira (20/6), no Aeroporto de Vitória Eurico de Aguiar Salles, no Espírito Santo. A relação entre os parlamentares

Leia mais...

Chrystian receberia transplante de rim da esposa no final do ano

Chrystian sofria de uma condição genética chamada rim policístico O cantor Chrystian, que faleceu aos 67 anos na última quarta-feira (19), estava se preparando para um transplante de rim no final deste ano, com sua esposa Key Vieira sendo a doadora. Chrystian sofria de uma condição genética chamada rim policístico,

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.