22/07/2024

A estratégia dos rivais de Marine Le Pen para impedir que seu partido ganhe eleição na França

A líder do partido de extrema-direita francês Rassemblement National (RN), Marine Le Pen, e o presidente do RN, Jordan Bardella - (crédito: Getty Images)

Mais de 200 pessoas decidiram se retirar para dar aos candidatos não afiliados ao RN a melhor chance de derrotar a extrema direita

Os eleitores franceses aguardam a confirmação dos candidatos para o segundo turno das eleições parlamentares, já que muitos candidatos desistiram para ajudar a derrotar o partido de extrema-direita, Rassemblement National (RN).

Os partidos têm até as 18h (14h no horário de Brasília) de terça-feira para registrar seus candidatos para o domingo. Só então será claro quantos candidatos de esquerda e centro abandonaram a corrida na esperança de unificar o voto anti-RN.

O primeiro turno, realizado no último domingo, resultou em uma grande vitória para o partido de Marine Le Pen, que, junto com seus aliados, conquistou cerca de 33% dos votos.

Uma ampla aliança de esquerda ficou em segundo lugar, e os centristas do presidente Emmanuel Macron em terceiro. No entanto, as chances de Le Pen conquistar a maioria absoluta na Assembleia Nacional de 577 assentos foram prejudicadas pelas táticas de bloqueio de seus opositores.

Em mais da metade dos distritos eleitorais – cerca de 300 – três candidatos se qualificaram no primeiro turno (na maioria dos outros distritos, apenas dois).

Se, nesses distritos, um dos dois candidatos não afiliados ao RN desistir, isso aumenta as chances de o candidato do RN ser derrotado. Até o meio-dia de terça-feira, cerca de 200 candidatos de esquerda e centro haviam tomado essa decisão.

A Nova Frente Popular de Esquerda (NPF) – que inclui desde social-democratas de centro-esquerda até anticapitalistas de extrema-esquerda – emitiu instruções para que todos os seus candidatos que ficaram em terceiro lugar desistissem, permitindo que um centrista colhesse os votos anti-RN.

Assim, a NPF está ajudando dois importantes deputados pró-Macron – a ex-primeira-ministra Elisabeth Borne e o Ministro do Interior Gérald Darmanin – a vencerem em suas circunscrições na Normandia e no norte.

Por outro lado, um candidato pró-Macron desistiu para ajudar o esquerdista radical François Ruffin a derrotar o candidato do RN na cidade de Amiens, no norte.

O presidente de 28 anos do RN – e candidato a primeiro-ministro – Jordan Bardella condenou esses arranjos como fruto de uma “aliança da desonra” entre partidos que até então estavam em constante disputa.

As instruções aos candidatos do bloco centrista de Macron foram mais ambíguas do que as da NPF. Embora o próprio Macron e o Primeiro-Ministro Gabriel Attal tenham chamado para “nenhum voto para o RN”, alguns em seu campo acreditam que o componente de extrema-esquerda torna a NPF igualmente inaceitável.

Figuras importantes como o Ministro das Finanças Bruno Le Maire e o ex-primeiro-ministro Edouard Philippe – ambos originalmente do centro-direita – estão se recusando a emitir instruções para votar sistematicamente contra o RN.

Membros internos do RN disseram ao jornal Le Figaro que as táticas de seus adversários não os incomodam. “Pelo contrário, é uma boa notícia. A mensagem geral que estão transmitindo é que todo o sistema está contra nós… É mais uma grande conspiração e nossos eleitores estão cansados disso”, disse um deles.

Os líderes do RN afirmaram que não tentarão formar um governo a menos que obtenham uma maioria absoluta no parlamento na votação de domingo. Eles dizem que não querem aparentar ter poder se, na realidade, não conseguirem aprovar leis.

No entanto, na terça-feira, Marine Le Pen esclareceu que uma maioria menor seria suficiente – desde que não fique muito aquém do limite de 289 membros.

Falando à rádio francesa, ela disse que conquistar cerca de 270 deputados permitiria ao seu partido abrir negociações com parlamentares individuais de outros grupos na esperança de persuadi-los a formar um acordo.

“Vamos dizer a eles: ‘Vocês estão prontos para participar conosco em uma nova maioria? Vocês estão prontos para votar uma moção de confiança? Vocês estão prontos para votar a favor do orçamento?'”, afirmou.

Ela citou como possíveis alvos deputados independentes de direita e esquerda, e parte do partido conservador Republicanos, que obteve 10% dos votos no domingo.

Se o RN conquistar a maioria absoluta no domingo, Bardella seria convidado pelo presidente Macron a formar um governo – e então começaria um período tenso de “coabitação” entre dois inimigos políticos.

Sob a constituição da Quinta República Francesa, o poder passaria de Macron para o gabinete do primeiro-ministro, porque “o governo determina e conduz a política da nação”.

No entanto, Macron provavelmente tentaria manter poderes nas áreas de política externa e defesa, que, por precedentes – e não pela redação da constituição – têm permanecido sob a responsabilidade do Eliseu em coabitações passadas.

Marine Le Pen também acusou o presidente na terça-feira de realizar um “golpe de estado administrativo” porque ouviu que ele estava preparando várias nomeações importantes na polícia e no exército poucos dias antes da votação.

“Quando você quer contrariar os resultados de uma eleição nomeando seus aliados para cargos, e isso impede [o governo] de implementar políticas que o povo francês pediu… Eu chamo isso de golpe de estado administrativo. Espero que seja apenas um boato”, acrescentou.

Tribuna Livre, com informações da BBC News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Após escapar da morte, Trump retoma campanha: "Tomei tiro pela democracia"
Após escapar da morte, Trump retoma campanha: "Tomei tiro pela democracia"
Apagão global cibernético afeta bancos e aeroportos em todo mundo
Apagão global cibernético afeta bancos e aeroportos em todo mundo
Incêndio no sudeste da França deixa sete mortos
Incêndio no sudeste da França deixa sete mortos
Milei demite subsecretário que cobrou desculpas de atletas por ato racista
Milei demite subsecretário que cobrou desculpas de atletas por ato racista
Elon Musk se compromete com US$ 45 milhões por mês para apoiar Trump
Elon Musk se compromete com US$ 45 milhões por mês para apoiar Trump
Morte em massa de peixes causa fechamento de lago nos EUA; entenda
Morte em massa de peixes causa fechamento de lago nos EUA; entenda
Fuzil usado em atentado contra Trump foi comprado pelo pai do atirador
Fuzil usado em atentado contra Trump foi comprado pelo pai do atirador
FBI afirma que atirador agiu sozinho em atentado contra Trump
FBI afirma que atirador agiu sozinho em atentado contra Trump
Trump sofre ataque a tiros, mas está bem; atirador e apoiador morrem Bala pegou de raspão na orelha direita do ex-presidente dos EUA; atentado ocorreu durante comício na Pensilvânia
Trump sofre ataque a tiros, mas está bem; atirador e apoiador morrem Bala pegou de raspão na orelha direita do ex-presidente dos EUA; atentado ocorreu durante comício na Pensilvânia.
Incêndio atinge torre de catedral gótica na França
Incêndio atinge torre de catedral gótica na França.
Homem mata três mulheres com arco e flecha e é "caçado" pela polícia
Homem mata três mulheres com arco e flecha e é "caçado" pela polícia
O terremoto político no Irã que permitiu eleição de presidente reformista
O terremoto político no Irã que permitiu eleição de presidente reformista

Apagão global cibernético afeta bancos e aeroportos em todo mundo

Um apagão cibernético está causando atrasos em voos, impactando os serviços bancários e de comunicação globalmente nessa sexta-feira Na manhã desta sexta-feira (19/7) diversos países registraram problemas técnicos que afetaram operações de companhias aéreas internacionais, empresas ferroviárias e do setor de telecomunicações, entre outros. Segundo a Administração Federal de Aviação

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.