16/06/2024

A Procuradoria-Geral da República solicita o afastamento do governador do Acre devido a suspeitas de corrupção.

Mardilson Gomes/SEE/governo do Acre

O governador é alvo de suspeitas de envolvimento em um grupo criminoso que causou um prejuízo de R$ 11,7 milhões aos cofres públicos; um total de 13 pessoas foram denunciadas.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) formalizou uma denúncia contra o governador do Acre, Gladson Cameli (PP), sob suspeita de participação em uma organização criminosa que resultou em um prejuízo de R$ 11,7 milhões aos cofres públicos, e solicitou seu afastamento. O pedido é para que Cameli seja desvinculado do cargo durante o curso da instrução criminal.

O subprocurador-geral da República Carlos Frederico encaminhou a denúncia na terça-feira (28/11) ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), que é competente para julgar questões envolvendo governadores. Um total de 13 pessoas foram denunciadas por crimes como organização criminosa, corrupção ativa e passiva, peculato, lavagem de dinheiro e fraude em licitação.

Entre os denunciados, estão dois irmãos do governador, além de servidores públicos. Segundo as investigações, o esquema teve início em 2019, envolvendo uma fraude licitatória que resultou na contratação da empresa Murano Construções por R$ 18 milhões em recursos públicos para obras de engenharia. A Murano subcontratou outras empresas, incluindo uma associada a um dos irmãos do governador, que teriam pago propina de mais de R$ 6,1 milhões a Cameli.

Conforme apurado, os valores eram repassados ao governador por meio do pagamento de parcelas de um apartamento em São Paulo e de um carro de luxo. Embora a denúncia aborde apenas esse contrato, há suspeitas de que o esquema tenha se prolongado, identificando-se outros oito contratos com irregularidades e uma estimativa de prejuízo de até R$ 150 milhões.

A Murano foi contratada através do mecanismo de “adesão à ata”, no qual um órgão contrata uma empresa aproveitando uma licitação realizada por outra instituição pública. Neste caso, a licitação foi conduzida pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano (IFG), campus Ceres. A empresa venceu a ata de registro de preço, e a Secretaria de Infraestrutura e Desenvolvimento Urbano do Estado do Acre aderiu à ata, contratando a Murano para obras rodoviárias.

A denúncia destaca que aproximadamente dois terços do valor pago correspondem a um objeto totalmente alheio ao contratado, caracterizando um desvirtuamento do princípio da isonomia. Análises técnicas da Controladoria-Geral da União (CGU) incluídas na denúncia indicam suspeitas de sobrepreço de R$ 8,8 milhões e de superfaturamento de R$ 2,9 milhões.

O Ministério Público Federal (MPF) requer que o governador responda por dispensa indevida de licitação, peculato, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa, além de pleitear o bloqueio de bens dos denunciados no valor de R$ 12 milhões.

A Murano declarou que ainda não teve acesso ao conteúdo da denúncia e, portanto, não pode se manifestar. Em resposta, a defesa do governador criticou o pedido de afastamento feito pela PGR, classificando-o como arbitrário e absurdo. Alega que não há fatos novos que justifiquem o pedido e destaca que a investigação é ilegal, decorrendo de uma devassa realizada pela Polícia Federal sem competência para investigar o governador.

A defesa argumenta que a investigação resultou na quebra do sigilo de uma criança de sete anos, filho do governador, e que não há ilegalidade atribuível a Gladson Cameli. Afirma que todas as obras foram executadas e entregues ao povo do Acre, que reelegeu o governador no primeiro turno. O governador confia no Poder Judiciário e fará sua defesa, acreditando que o pedido será indeferido.

Tribuna Livre, com informações da subprocuradoria-geral da República

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Dino envia indiciamento de Juscelino Filho por corrupção à PGR
Dino envia indiciamento de Juscelino Filho por corrupção à PGR
Caso Moraes: TCU vai apurar promoção de delegado da PF
Caso Moraes: TCU vai apurar promoção de delegado da PF
Nova ponte sobre o Rio Tocantins será inaugurada nesta sexta-feira (14)
Nova ponte sobre o Rio Tocantins será inaugurada nesta sexta-feira (14)
Naval, considerado “homem de guerra”, assume maior milícia do Rio
Naval, considerado “homem de guerra”, assume maior milícia do Rio
País corre e tenta atingir meta de vacinação contra a poliomielite
País corre e tenta atingir meta de vacinação contra a poliomielite
Existem duas habilidades que Deus dá aos obreiros: uma é realizar a obra de Deus através dos cargos ministeriais e a outra é a de realizar obras para Deus
Existem duas habilidades que Deus dá aos obreiros: uma é realizar a obra de Deus através dos cargos ministeriais e a outra é a de realizar obras para Deus.
Deputada manda 100% das emendas para cidade chefiada pelo marido
Deputada manda 100% das emendas para cidade chefiada pelo marido
MP-SP abre guerra contra a Bíblia
MP-SP abre guerra contra a Bíblia
STF rejeita recurso que tratava do uso de banheiros por transexuais
STF rejeita recurso que tratava do uso de banheiros por transexuais
Com confusão, Conselho de Ética arquiva processo contra Janones
Com confusão, Conselho de Ética arquiva processo contra Janones
Lula e Marina fazem balanço e anunciam medidas no Dia do Meio Ambiente
Lula e Marina fazem balanço e anunciam medidas no Dia do Meio Ambiente
Defensoria Pública pede indenização para carros deixados no aeroporto de Porto Alegre
Defensoria Pública pede indenização para carros deixados no aeroporto de Porto Alegre

Justiça expede mandado de prisão contra Maurício Sampaio

Defesa prepara um novo habeas corpus O Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) expediu na tarde desta sexta-feira (14), os mandados de prisão de Maurício Sampaio e policial militar reformado Ademá Figueiredo, condenados pelo assassinato do radialista Valério Luiz de Oliveira em 2012. O despacho foi assinado pelo juiz Lourival

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.