26/05/2024

Ameaça de retaliação do Irã deixa Israel em alerta máximo

O aiatolá Ali Khamenei lidera a cerimônia de orações no Eid Al-Fitr, na quarta-feira, em Teerã: - (crédito: Khamenei.ir/AFP)

Estado judeu reforça defesa antiaérea e suspende descanso de soldados que combatem na Faixa de Gaza. Aiatolá Ali Khamenei promete punição por ataque ao consulado iraniano em Damasco. Ocidente pressiona Teerã a desistir de retaliar

Israel estava em alerta máximo, na noite desta quinta-feira, após o Irã ameaçar uma retaliação direta ao bombardeio do consulado iraniano em Damasco. Em 1º de abril, caças F-35 israelenses lançaram seis mísseis contra o prédio da representação diplomática, na capital da Síria, matando 16 pessoas, incluindo sete membros da Guarda Revolucionária Iraniana, o exército ideológico da República Islâmica.

Na quarta-feira (10/4), o aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã, discursou em alusão ao Eid Al-Fitr — feriado que marca o fim do mês sagrado do Ramadã — e prometeu castigar o Estado judeu. “Consulados e embaixadas de qualquer país são considerados como solo daquele país. Quando atacam nosso consulado, isso significa que atacam o nosso território. O regime do mal cometeu um erro, deveria ser punido e será punido”, declarou. 

Segundo a agência de notícias France-Presse, nos últimos dias, Israel reforçou sua defesa antiaérea e suspendeu as autorizações de descanso para unidades de combate designadas para atuarem na Faixa de Gaza. Os governos de EUA, França, Alemanha e Reino Unido advertiram o Irã contra um ataque ao território israelense.

Os ministros alemão e britânico das Relações Exteriores conversaram com o chanceler iraniano, Hossein Amir-Abdollahian e pediram a ele que Teerã desista da retaliação. O presidente francês, Emmanuel Macron, advertiu Teerã a não atacar Israel, reportou o jornal The Jerusalem Post. O regime iraniano garantiu a Washington que agirá de forma a não escalar o conflito regional. 

Fundador e diretor do Centro para o Oriente Médio e a Ordem Global, em Berlim, Ali Fathollah-Nejad admitiu que o ataque israelense ao consulado do Irã, em Damasco, deixou Teerã ainda mais encurralado. “Uma eventual retaliação iraniana proporcional, visando Israel, poderia levar a um confronto militar direto. Os iranianos temem esse cenário, pois isso poderia colocar em perigo a segurança do regime”, observou.

O estudioso adverte que os riscos associados a essa “linha vermelha” iraniana aumentam ante a falta de apoio popular ao regime de Teerã, o que torna pouco provável um efeito de “reunião dos iranianos em torno da bandeira”, no caso de guerra.

Por outro lado, Fathollah-Nejad entende que, se o Irã não atacar diretamente Israel e incumbir seus aliados regionais — o chamado “eixo da resistência” — dessa tarefa, a relutância da República Islâmica seria interpretada como fraqueza. “Não se pode excluir a possibilidade de ataques dirigidos por Teerã contra postos avançados em Israel ou em outros países do Oriente Médio”, disse. Nesse sentido, ele vê três cenários prováveis para uma retaliação. Em primeiro lugar, o Irã poderia retomar ataques por procuração contra bases dos EUA ou contra “alvos suaves” no Iraque e na Síria. “Uma intensificação de disparos de mísseis de longo alcance, inclusive, contra Israel, também está dentro do escopo das possibilidades”, alertou. Durante meses, mísseis balísticos e de cruzeiro iranianos, além de drones suicidas, atingiram alvos israelenses e norte-americanos no Iraque, na Síria e no Golfo Pérsico.

Gravidade

Para Ilai Saltzman, professor de Estudos Israelenses da Universidade de Maryland, o Irã tem capacidade para atacar alvos israelenses, tanto direta quanto indiretamente. Há antecedentes. Em janeiro de 2020, forças iranianas dispararam vários mísseis contra duas bases iraquianas que abrigavam tropas dos EUA, em retaliação a um ataque americano que matou Qassem Soleimaini, general da Guarda Revolucionária Iraniana. No início deste ano, Teerã também lançou mísseis balísticos contra alvos em Erbil, no Curdistão iraquiano, atingindo uma base da Mossad — o serviço de inteligência israelense.

“A ameaça que emana de uma potencial retaliação pelo ataque ao consulado em Damasco é bastante grave. O alvo não era apenas um prédio diplomático, geralmente protegido pelo direito internacional. A identidade dos oficiais da Guarda Revolucionária Iraniana mortos torna este ataque especialmente letal. Parece bastante improvável que a liderança iraniana olhe para o outro lado e nada faça”, afirmou Saltzman, em entrevista por e-mail.

O estudioso de Maryland sublinhou que o presidente Joe Biden se apressou em assegurar que o compromisso dos EUA com Israel é inabalável. “O chefe do Comando Central dos Estados Unidos, general Michael Erik Kurilla, está em visita a Israel para coordenar o apoio militar. É uma manobra desenhada para deter o Irã e deixar claro que um ataque iraniano resultará em uma intervenção americana”, disse Saltzman. 

O israelense Eytan Gilboa — especialista em relações Estados Unidos-Israel da Universidade Bar-Ilan (em Ramat Gan, subúrbio de Tel Aviv) — explicou que o Irã construiu o chamado “círculo de fogo” contra o Estado judeu: os apoios à milícia xiita Hezbollah (no Líbano), ao grupo extremista Hamas (na Faixa de Gaza), aos rebeldes separatistas huthis (no Iêmen), e às milícias na Síria e no Líbano. “O Irã é a cabeça da serpente e não pode desfrutar de imunidade do direito de Israel à autodefesa contra as agressões realizadas pelos aliados.”

EU ACHO…

“Da perspectiva israelense, esta é uma ameaça muito credivel, e o momento está longe do ideal. Embora a oportunidade operacional de matar os generaisiranianos, em Damasco, fosse certamente apelativa para os chefes do sistema de inteligência e defesa de Netanyahu, Israel está envolvido em uma guerra em duas frentes: na Faixa de Gaza, contra o Hamas, e em sua fronteira norte, contra o Hezbollah. O isolamento diplomático de Israel à luz da guerra em Gaza torna a comunicação com potenciais intermediários ainda mais complicada.”

Ilai Saltzman, professor de Estudos Israelenses da Universidade de Maryland

“O Irã tem a capacidade de lançar um ataque contra nós, mas não estou certo se tem vontade de enfrentar os exércitos de Israel e dos EUA. Mas, Teerã pode escalar a agressão, com ataques de seus aliados. Os palestinos, os libaneses, os iemenitas e os sírios pagarão o preço, assim como os civis, muitas vezes usados como escudos humanos. Israel responderá com pleno poder para destruir as suas capacidades militares.”

Eytan Gilboa, especialista em relações EUA-Israel da Universidade Bar-Ilan (em Ramat Gan, subúrbio de Tel Aviv)

Tribuna Livre, com informações da Agence France Presse.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
CUBAEstado Maior Central: a ameaça da dissidência das Farc que levou Colômbia a lançar 'ofensiva total'
Estado Maior Central: a ameaça da dissidência das Farc que levou Colômbia a lançar 'ofensiva total'
MUNDO 2Nove morrem após estrutura de palco desabar em comício no México; vídeo
Nove morrem após estrutura de palco desabar em comício no México; vídeo
ELVISPor que leilão da mansão de Elvis Presley foi barrado pela Justiça
Por que leilão da mansão de Elvis Presley foi barrado pela Justiça
MUNDO 2Crise entre Argentina e Espanha se agrava após saída de embaixadora
Crise entre Argentina e Espanha se agrava após saída de embaixadora
MUNDO 1Conheça a vespa asiática que colocou o Reino Unido em alerta
Conheça a vespa asiática que colocou o Reino Unido em alerta
Irã acelera sucessão e convoca eleições após morte do presidente
Irã acelera sucessão e convoca eleições após morte do presidente
O que ocorre após emissão de pedido de prisão contra Netanyahu?
O que ocorre após emissão de pedido de prisão contra Netanyahu?
Helicóptero com presidente do Irã, Ebrahim Raisi, sofre acidente
Helicóptero com presidente do Irã, Ebrahim Raisi, sofre acidente
Israel diz que acusação de 'genocídio' em Gaza está desconectada dos fatos
Israel diz que acusação de 'genocídio' em Gaza está desconectada dos fatos
Israel: disparo das forças do próprio país mata 5 de seus soldados em Gaza
Israel: disparo das forças do próprio país mata 5 de seus soldados em Gaza
O homem que lança garrafas com arroz no mar para salvar vidas na Coreia do Norte
O homem que lança garrafas com arroz no mar para salvar vidas na Coreia do Norte
X tem decisão favorável na Austrália em batalha por publicação de conteúdo violento
X tem decisão favorável na Austrália em batalha por publicação de conteúdo violento

DF amplia malha cicloviária e chega a 687 quilômetros de pistas

‌Desde 2019, foram construídos 220,52 km; capital tem a segundo maior conjunto de vias para ciclistas no país. GDF trabalha para interligar trechos e aumentar a mobilidade da população A malha cicloviária do Distrito Federal tem aumentado nos últimos anos. Atualmente, ela tem uma extensão de 687,12 km, distribuída em

Leia mais...

Marinhas do Brasil e dos EUA realizam operação em apoio ao RS

Operação tem como objetivo transferir doações para as vítimas das enchentes no estado de maneira mais ágil A Marinha do Brasil (MB) conduz, na próxima segunda-feira (27/5), uma operação de apoio à população do Rio Grande do Sul em meio à situação de calamidade pública causada pelas enchentes. A ação

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.