17/04/2024

Ataque vira disputa entre Putin e Zelensky

Mulher chora em memorial que começa a se formar em frente ao Crocus City Hall, local do atentado - (crédito: AFP)

Atentado que deixou mais de 130 mortos, nesta sexta-feira, na Rússia, foi reivindicado pelo Estado Islâmico, mas presidentes acusam um ao outro de possíveis responsabilidades

O ataque que deixou mais de 130 mortos na sexta-feira (22) em uma casa de show em um subúrbio de Moscou, reivindicado pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI). As mortes, porém, foram usadas como ativo político tanto por parte da Rússia como pela Ucrânia, em pronunciamentos durante todo o sábado.

Em discurso televisionado, o presidente Vladimir Putin afirmou que 11 pessoas foram presas, entre eles, os quatro supostos autores do ataque, que tentaram fugir para território ucraniano antes de serem presos, onde tinham contatos que os ajudariam a passar pelo controle da fronteira. O presidente prometeu que todos os responsáveis serão punidos e não mencionou a reivindicação do massacre por parte do EI.

Mais tarde, a televisão russa exibiu imagens de interrogatórios dos supostos terroristas. Três deles estavam com o rosto ensanguentado, sendo escoltados por agentes armados. Um dos detidos estava com a cabeça enfaixada e apresentava vestígios de sangue na orelha direita. Durante os interrogatórios, dois suspeitos admitiram culpa e um deles afirmou ter agido por dinheiro. De acordo com a mídia russa e o deputado Alexander Jinstein, alguns dos suspeitos são originários do Tadjiquistão, ex-república soviética na fronteira com o Afeganistão, com presença do grupo EI.

Volodymyr Zelensky, por sua vez, disse que “O que aconteceu ontem (sexta) em Moscou é óbvio: Putin e os demais bastardos tentam jogar nos outros a culpa” pelo atentado.

Os serviços de inteligência militar ucranianos afirmaram que “o ataque terrorista em Moscou é uma provocação planejada e deliberada dos serviços especiais russos, ordenada por Putin com o objetivo de justificar bombardeios ainda mais poderosos contra a Ucrânia e uma mobilização total na Rússia”.

O ataque à sala de concertos Crocus City Hall é o mais sangrento na Rússia em duas décadas e o mais mortal realizado na Europa pelo grupo EI, que reiterou a autoria dos ataques ontem.

“O ataque foi realizado por quatro combatentes do EI, armados com metralhadoras, uma pistola, facas e bombas incendiárias”, afirmou a organização jihadista em uma das suas contas no Telegram, acrescentando que o ataque se enquadra no contexto da guerra contra “os países que combatem o Islã”.

A Rússia combate o grupo terrorista na Síria e também no Cáucaso russo desde o final da década de 2010, mas o EI nunca assumiu a responsabilidade por um ataque de tal magnitude antes.

A polícia e as forças especiais russas permaneceram posicionadas, ontem, em frente ao complexo incendiado, onde centenas de equipes de resgate recolhiam os escombros em busca de mais vítimas, enquanto pessoas acendiam velas e deixavam flores em homenagem aos mortos na tragédia. Desde a manhã, longas filas de espera se formaram em frente a centros de doação de sangue em Moscou. Cartazes que dizem “Estamos de luto 22/03/2024” foram espalhados pela cidade.

Inimigo comum

Oponentes declarados da Rússia em sua empreitada contra o país vizinho, líderes dos Estados Unidos, União Europeia e Otan comentaram a tragédia. A Casa Branca afirmou, ontem, que o grupo Estado Islâmico (EI) é “um inimigo terrorista comum”, ao lamentar o atentado. “Os Estados Unidos condenam energicamente o ataque terrorista hediondo em Moscou”, declarou a secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, ressaltando que “o EI é um inimigo terrorista comum, que deve ser derrotado em todas as partes”.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, também repudiou “energicamente o ataque terrorista” e o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, criticou “um ataque atroz” contra “pessoas indefesas”. A Otan “condenou inequivocamente os ataques contra os participantes em um show em Moscou” e indicou que “nada pode justificar crimes tão hediondos”.

A Síria, aliada de Moscou, considerou que o atentado está “diretamente relacionado às derrotas cruéis e dolorosas do neonazismo e seus seguidores após a operação militar especial no Donbass”, referindo-se à anexação russa dessa região da Ucrânia.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hosein Amir-Abdollahian, enfatizou que “uma luta conjunta e eficaz contra o terrorismo requer uma ação séria e não discriminatória da comunidade internacional”.

O atentado uniu, até mesmo, Israel e Palestina em solidariedade. Netanyahu e o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, expressaram seu repúdio ao terrorismo.

Tribuna Livre, com informações da Agence France Presse.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Os últimos pacientes do maior hospital do Haiti, transformado em QG das gangues que desestabilizam o país
Os últimos pacientes do maior hospital do Haiti, transformado em QG das gangues que desestabilizam o país
O Irã se considera vingado e pede para Israel não reagir militarmente ao ataque
O Irã se considera vingado e pede para Israel não reagir militarmente ao ataque
Conflito provoca extrema preocupação internacional por causa do poderio militar de Irã e de Israel
Conflito provoca extrema preocupação internacional por causa do poderio militar de Irã e de Israel
Ameaça de retaliação do Irã deixa Israel em alerta máximo
Ameaça de retaliação do Irã deixa Israel em alerta máximo
Após pacto, idosa de 80 anos guarda cadáver de amiga em maleta por 1 ano
Após pacto, idosa de 80 anos guarda cadáver de amiga em maleta por 1 ano
Por que os EUA estão preocupados com possível ataque do Irã a Israel
Por que os EUA estão preocupados com possível ataque do Irã a Israel
México pede suspensão do Equador na ONU em denúncia apresentada em Haia
México pede suspensão do Equador na ONU em denúncia apresentada em Haia
Morte de filhos de líder do Hamas em ataque de Israel pode travar negociação de cessar-fogo?
Morte de filhos de líder do Hamas em ataque de Israel pode travar negociação de cessar-fogo?
Israel matou filhos e netos do líder máximo do Hamas, diz grupo terrorista
Israel matou filhos e netos do líder máximo do Hamas, diz grupo terrorista
Venezuela entrega à Corte de Haia documentos sobre disputa territorial com a Guiana
Venezuela entrega à Corte de Haia documentos sobre disputa territorial com a Guiana
Diplomatas mexicanos deixam o Equador neste domingo após invasão em embaixada
Diplomatas mexicanos deixam o Equador neste domingo após invasão em embaixada
Presidente do Peru diz que Rolex eram emprestados e foram devolvidos
Presidente do Peru diz que Rolex eram emprestados e foram devolvidos.

Ceilândia ganha mais uma tenda para pacientes com suspeita de dengue

A partir desta terça (16), estrutura de acolhimento irá atender diariamente, das 7h às 19h, ofertando triagem, consultórios, farmácias e sala de hidratação Ceilândia recebe, nesta terça-feira (16), mais uma tenda de acolhimento a pacientes com dengue. A estrutura, localizada no estacionamento do Hospital Regional de Ceilândia (HRC), realizará atendimentos

Leia mais...

Licitação do viaduto de acesso a Planaltina tem data marcada

Propostas serão entregues eletronicamente no dia 15 de julho; com investimento de R$ 65,6 milhões, obra viária vai beneficiar cerca de 90 mil motoristas, além dos ciclistas que trafegam pela região O Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF) publicou nesta segunda-feira (15), no Diário Oficial do Distrito

Leia mais...

Rodrigo Pacheco, seus acertos, omissões e intromissões.

Com mais desacertos do que acertos, as pessoas de bem procuram entender aonde Pacheco quer chegar. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, pressionado tanto por Senadores quanto deputados, se viu obrigado a se manifestar  uma continuada tendência do Supremo Tribunal Federal (STF) em usurpar as atribuições dos parlamentares. A Pressão

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.