19/06/2024

Congresso derruba veto de Lula que proíbe “incentivo” ao aborto

O trecho foi incluído na LDO por meio de uma emenda apresentada pelo senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) - (crédito: Waldemir Barreto/Agência Senado)

Ao aprovar a Lei de Diretrizes Orçamentárias, os parlamentares incluíram uma emenda que proibia a utilização de verba pública para ações voltadas ao aborto e redesignação de gênero. Presidente vetou o trecho, mas o Congresso manteve a proibição

O Congresso Nacional derrubou, na noite desta terça-feira (28/5), o veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao trecho da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) que proíbe a utilização de verbas adquiridas por meio de arrecadação de impostos, para políticas públicas referentes ao aborto, cirurgias de redesignação de gênero em crianças e adolescentes e incentivo à invasão de terras urbanas ou rurais. A decisão do chefe do Executivo foi rejeitada por 339 votos contra 107 na Câmara dos Deputados e 47 contra 23 no Senado.

O trecho foi incluído na LDO por meio de uma emenda apresentada pelo senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) e aprovada, em dezembro de 2023, por 305 votos a 141 na Câmara e 43 a 26 no Senado. À época, o líder do governo no Congresso, Randolfe Rodrigues (Sem partido-AP), negou que Lula tenha interesse em destinar dinheiro público para “incentivo” ao aborto e garantiu que o trecho seria vetado pelo presidente.

“Por uma razão óbvia: ela [a emenda] é intempestiva na Lei Orçamentária. Emenda de eficácia zero, porque nada que está nessa emenda é permitido no ordenamento jurídico brasileiro. Por ser de eficácia zero, por não ter relação de coerência com a Lei de Diretrizes Orçamentária, ou com a Lei Orçamentária, ou com a realidade, ou com o mundo real. Então, é por óbvio que a emenda será vetada”, argumentou Randolfe após a aprovação.

A parte vetada por Lula ainda previa a proibição de utilizar verba na promoção de ações que incentivem ocupações de terras. Entretanto, o Congresso decidiu manter na LDO a regra que não permite o investimento em políticas voltadas “a ações tendentes a influenciar crianças e adolescentes, da creche ao ensino médio, a terem opções sexuais (sic) diferentes do sexo biológico”; à Invasão ou ocupação de propriedades rurais privadas; a ações tendentes a desconstruir, diminuir ou extinguir o conceito de família tradicional, formado por pai, mãe e filhos; a cirurgias em crianças e adolescentes para mudança de sexo; e à realização de abortos, exceto nos casos autorizados em lei.

No texto da LDO não estava previsto o emprego de dinheiro nas iniciativas citadas pela emenda aprovada, vetada e mantida. De acordo com a legislação, o governo não pode fazer investimentos em práticas consideradas ilegais no país. “Essa emenda é uma emenda astuta porque, na verdade, eles [parlamentares] sabem muito bem que o Congresso fiscaliza os gastos do Governo, o Ministério Público fiscaliza os gastos do Governo, o Tribunal de Contas da União fiscaliza os gastos do Governo, de forma que não existe possibilidade de gastos ilegais. Se algum gasto for contra a lei, será punido”, ressaltou o deputado Carlos Zarattini (PT-SP).

“O objetivo desses artigos é exatamente abrir de tal forma a criminalização, que permitirá, se aprovado, que se faça qualquer tipo de criminalização de qualquer ação do governo, por uma interpretação absolutamente absurda”, argumentou Zarattini. Parlamentares também ressaltaram o teor homofóbico da emenda e apontaram que o trecho vetado por Lula é um ataque à comunidade LGBTQIAP+.

“Essa emenda, que mistura fake news com intolerância, com preconceito, com a tentativa de, mais uma vez, fomentar, na ausência de políticas públicas, o preconceito contra as orientações sexuais e identidades de gênero. Essa emenda aqui é emenda das fake news, porque não existe cirurgia de ressignificação para crianças […] Então, isso é uma mentira misturada com a tentativa de retroalimentar uma narrativa venenosa, criminosa, que lamentavelmente fomenta o ódio contra a comunidade LGBTQIA+“, disse a deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS).

Tribuna Livre, com informações da Agência Senado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Congresso prepara pacote contra a impunidade; conheça as propostas
Congresso prepara pacote contra a impunidade; conheça as propostas
Ciro diz a Nunes que PP aceita vice indicado por Bolsonaro e Tarcísio
Ciro diz a Nunes que PP aceita vice indicado por Bolsonaro e Tarcísio
OAB envia a Lira parecer contra PL do Aborto: “Cruel e grosseiro”
OAB envia a Lira parecer contra PL do Aborto: “Cruel e grosseiro”
Com 88% contra, enquete oficial sobre PL Antiaborto alcança 1 milhão de votos
Com 88% contra, enquete oficial sobre PL Antiaborto alcança 1 milhão de votos
Presidente do partido Solidariedade se entrega à Polícia Federal
Presidente do partido Solidariedade se entrega à Polícia Federal
Autor de "PL antiaborto" vai propor aumento da pena de estupro para 30 anos
Autor de "PL antiaborto" vai propor aumento da pena de estupro para 30 anos
Câmara aprova projeto que pode suspender mandato de deputado brigão
Câmara aprova projeto que pode suspender mandato de deputado brigão
Nome de Eurípedes é incluído na lista vermelha da Interpol
Nome de Eurípedes é incluído na lista vermelha da Interpol
Câmara pode votar projeto que equipara aborto ao crime de homicídio
Câmara pode votar projeto que equipara aborto ao crime de homicídio
Confirmado por Haddad: Novo decreto do Banco Central atinge em cheio as poupanças e abala Caixa, Itaú e +
Confirmado por Haddad: Novo decreto do Banco Central atinge em cheio as poupanças e abala Caixa, Itaú e +
Barroso defende gastos do STF com segurança após ida de Toffoli à final da Champions
Barroso defende gastos do STF com segurança após ida de Toffoli à final da Champions
Parlamentares batizam MP de compensação como “do fim do mundo”
Parlamentares batizam MP de compensação como “do fim do mundo”

Defesa Civil do RS divulga balanço após chuvas recentes

No total, entre sexta-feira e hoje (18/6), 22 municípios gaúchos reportaram danos em razão de alagamentos no estado Entre sexta-feira passada e hoje (18/6), 22 municípios gaúchos enfrentaram alagamentos, inundações e deslizamentos de terra, conforme relatório da Defesa Civil estadual. São Luiz Gonzaga foi uma das cidades mais afetadas, com

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.