23/06/2024

Estado Maior Central: a ameaça da dissidência das Farc que levou Colômbia a lançar ‘ofensiva total’

O Bloco Ocidental do EMC, que opera nos departamentos de Cauca, Nariño e Vale do Cauca, é o grupo militar e econômico mais poderoso - (crédito: Getty Images)

O Estado Maior Central é uma rede de diversas estruturas locais que operam com relativa autonomia e afirmam ser ‘as verdadeiras Farc’, em oposição ao grupo majoritário da guerrilha, que se desmobilizou com o acordo de Havana.

Enquanto uma parte do Estado-Maior Central (EMC) está sentada à mesa de negociações com o governo colombiano, outra parte sitia militarmente as forças de segurança e a população civil nos territórios colombianos de Cauca e Valle del Cauca.

Membros do grupo dissidente das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) atacaram, na segunda-feira (20/5), durante várias horas, a delegacia do município de Morales (no departamento de Cauca), e mataram dois patrulheiros e duas pessoas que estavam detidas ali, segundo o Ministério da Defesa.

Dois outros municípios também sofreram ataques violentos (sem vítimas mortais).

Três dias antes, um explosivo na mesma região tinha provocado a morte de um menino de 12 anos, segundo as autoridades, numa tentativa fracassada de atacar as forças de segurança por parte do EMC.

O presidente Gustavo Petro qualificou as ações como “ataques terroristas” e afirmou que “a ofensiva contra o EMC em Cauca é total”.

O EMC é uma rede de diversas estruturas locais que operam com relativa autonomia e afirmam ser “as verdadeiras Farc”, em oposição ao grupo majoritário da guerrilha, que se desmobilizou com o acordo de Havana.

É composto, segundo os últimos dados oficiais conhecidos, por cerca de 3.500 membros.

Desde 2023, é um dos grupos com os quais o governo tem procurado avançar nas negociações, no âmbito da sua política de paz total.

A fragilidade da unidade do EMC, porém, ficou evidente em abril, quando o grupo se dividiu em duas facções: uma liderada pelo pseudônimo Iván Mordisco, que saiu da mesa de negociações com o governo, e outra liderada pelo pseudônimo Calarcá, que continua negociando.

Segundo a pesquisadora Juanita Vélez, co-fundadora do centro de pesquisas Fundação CORE, as recentes ações violentas do EMC são “um sinal de que procuram expandir-se e ganhar mais controle territorial” e que “com a facção que saiu da negociação, o que vai acontecer é o confronto militar”.

A evolução das dissidências

O Estado Maior Central é a faceta mais evoluída dos dissidentes das Farc que nasceram durante as negociações de Havana.

As Farc surgiram na década de 1960, com o objetivo declarado a reforma agrária e a implementação do socialismo no país.

Nos anos 1980, no entanto, o grupo foi acusado de se envolver no tráfico de drogas e o Partido Comunista colombiano rompeu os laços com o grupo.

Após décadas de violentas lutas com o governo, as Farc se desmobilizaram em 2016 após a assinatura de um acordo com o governo.

No entanto, uma frente das Farc composta por cerca de 400 membros e comandada por Iván Mordisco anunciou que não se desmobilizaria. Foi a semente da dissidência.

Então, a liderança das Farc enviou Gentil Duarte, que estava na guerrilha há quase 40 anos e participava das negociações, para restabelecer a disciplina nessa frente; isto é, alinhá-la com o resto das Farc na decisão de depor as armas.

Mas Duarte também abandonou o processo de paz, juntando-se a Mordisco e trazendo seu grupo para o projeto de criação de uma dissidência.

Desde então, os dissidentes (que ainda não tinham adquirido o nome de Estado Maior Central) começaram a expandir-se e a consolidar-se, alimentados tanto por antigos combatentes das Farc como por antigos membros de outros grupos armados e novos recrutas.

Mordisco e Duarte conseguiram construir uma rede com alcance nacional, “embora, mais do que um comando unificado, houvesse governo horizontal e autonomia quase total a nível regional e local”, indica uma pesquisa da Fundação Ideias para a Paz.

Segundo a mesma pesquisa, “o crescimento e o fortalecimento do EMC está intimamente relacionado aos recursos financeiros do tráfico de drogas, da extorsão e da mineração ilegal”.

O EMC considera-se a herdeiro legítimo das Farc e defende que os que abandonaram as armas “traíram a revolução”.

Em 2019, Iván Márquez, que era o segundo no comando das Farc e negociador-chefe do acordo de Havana, anunciou o seu regresso às armas e a criação de outra dissidência: a Segunda Marquetalia.

Desde o início, no entanto, o EMC e a Segunda Marquetalia têm sido inimigos, porque Duarte e Mordisco não estavam dispostos a ceder seu poder a Iván Márquez.

Embora a Segunda Marquetalia incluísse comandantes influentes da extinta guerrilha, como os chamados Jesús Santrich, Romaña e El Paisa, o EMC é até hoje superior em número e capacidade militar.

Gentil Duarte morreu na Venezuela em 2022, e de lá até a recente cisão, Iván Mordisco tem sido o único comandante do EMC.

Dissidência com status político

Gustavo Petro chegou à presidência da Colômbia, em 2022, com a proposta de buscar a paz total.

A proposta consiste, por um lado, em avançar nas negociações de paz com todos os grupos armados com status político no país e, por outro, em submeter à Justiça organizações criminosas que não têm esse status.

O acordo de paz de Havana previa que os combatentes das Farc que abandonassem o processo e continuassem a cometer crimes enfrentariam todo o peso da lei.

Nas palavras do ex-presidente Juan Manuel Santos (2010-2018), quem não aceitasse o processo seria combatido com força e “acabaria na prisão ou no cemitério”.

Mas isso ficou para trás quando, em outubro de 2023, após um ano de negociações extraoficiais, o governo Petro anunciou que se sentaria oficialmente à mesa de negociações com o EMC.

Isso implicava duas coisas: que o governo estava encarando essa dissidência como um grupo único e que a considerava como um agente com status político.

Segundo a pesquisadora Juanita Vélez, foi na fase exploratória das negociações que esses dissidentes se autodenominaram Estado Maior Central, mesmo nome do órgão de decisão das extintas Farc, o que reforçou o discurso de que são herdeiros legítimos da guerrilha.

No entanto, a expectativa de que o governo seria capaz de negociar com o EMC como um todo durou pouco.

Em março de 2024, uma frente dessa dissidência rompeu o cessar-fogo com o governo ao atacar uma comunidade indígena em Cauca.

Em resposta, o presidente Gustavo Petro suspendeu o cessar-fogo bilateral nos departamentos de Cauca, Nariño e Valle del Cauca e descreveu Iván Mordisco como um “traficante de drogas vestido de revolucionário”.

O resultado disso foi que Iván Mordisco saiu das negociações, levando consigo mais da metade da estrutura do EMC.

“O Estado decidiu uni-los para poder negociar com mais facilidade, mas o que acabou acontecendo com o processo de paz é que eles se tornaram mais fragmentados”, diz Juanita Vélez.

Os ataques do EMC em Cauca e Valle del Cauca contra as forças de segurança mostram que a guerra entre a facção e o Estado foi retomada.

Esses ataques foram atribuídos ao Bloco Ocidental Jacobo Arenas, que opera em Cauca, Valle del Cauca e Nariño. Se trata do grupo mais poderoso militar e economicamente no EMC, segundo fontes militares.

Mais da metade de todos os membros da organização pertencem a este bloco.

Os tentáculos do EMC

Além do Bloco Ocidental, quando Iván Mordisco deixou a negociação com o governo, saíram também o Bloco Amazonas, o Bloco Central e o Comando Conjunto do Leste.

No total, os ramos da facção EMC que estão fora das negociações estendem-se por 14 dos 32 departamentos do país.

Desde que foi rompido o cessar-fogo com o EMC, as ações violentas multiplicaram-se naquela região do país.

As autoridades relataram ataques a quartéis-generais militares, sequestros, e um aumento no recrutamento forçado.

O EMC também é responsável por muitos dos assassinatos de signatários da paz (ex-guerrilheiros das Farc que aceitaram o processo), que chegam a mais de 400 desde a assinatura do acordo.

A facção que permanece à mesa é menor em tamanho e capacidade militar. Ela opera em oito departamentos.

No entanto, Juanita Vélez explica que, por exemplo, embora não tenha o mesmo poder militar e econômico que o Bloco Ocidental, o Bloco Jorge Suárez, um dos dois que continua negociando, “controla e governa os seus territórios”.

Por outro lado, “em Nariño e Cauca não está claro quem domina porque o EMC compete com outros grupos”, acrescenta Vélez.

Devido à sua fragmentação, o EMC mantém relações diferentes, e até mesmo opostas, com outros grupos armados em cada região.

Por exemplo, em Magdalena Medio, ele está aliado às frentes do ELN para enfrentar o Clã do Golfo, enquanto no Valle del Cauca está em conflito com o ELN.

Apesar das ações violentas e contundentes, que o governo descreve como “barbárie” e “terrorismo”, a pesquisadora Juanita Vélez afirma que “elas claramente não têm o nível de magnitude, alcance ou poder que as FARC tinham”.

“Em 2002, quando as FARC atingiram o seu melhor momento militar, elas contavam com mais de 20 mil homens e mulheres em armas, mais de 100 estruturas e atividade em mais de metade dos municípios do país, segundo a inteligência militar da época. O que vemos hoje com o EMC é algo de um nível muito inferior”, diz.

Desde os ataques de segunda-feira, o governo enviou a mensagem de que a superioridade militar do Estado em Cauca é indiscutível.

“A sua única forma de expressão é recorrer a ataques terroristas, porque não têm capacidade para sustentar um confronto com as Forças Militares e a Polícia”, afirmou o ministro da Defesa, Iván Velásquez.

Tribuna Livre, com informações da AFP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Comandante morre em voo e copiloto precisa fazer pouso de emergência
Comandante morre em voo e copiloto precisa fazer pouso de emergência
"Casa mais triste do mundo" está à venda por R$ 35 milhões
"Casa mais triste do mundo" está à venda por R$ 35 milhões
Por que Vietnã desafia os EUA para receber Putin
Por que Vietnã desafia os EUA para receber Putin
Como mudanças climáticas aumentaram em 35 vezes chance de ondas de calor nos EUA
Como mudanças climáticas aumentaram em 35 vezes chance de ondas de calor nos EUA
O 'inquietante' pacto de proteção mútua entre Rússia e Coreia do Norte
O 'inquietante' pacto de proteção mútua entre Rússia e Coreia do Norte
Como família mais rica do Reino Unido foi parar no banco dos réus por tráfico de pessoas
Como família mais rica do Reino Unido foi parar no banco dos réus por tráfico de pessoas
Faixa de Gaza: Netanyahu reage a racha e dissolve o gabinete de guerra
Faixa de Gaza: Netanyahu reage a racha e dissolve o gabinete de guerra
Quais as intenções de Putin em visita a Kim Jong Un, na Coreia do Norte
Quais as intenções de Putin em visita a Kim Jong Un, na Coreia do Norte
Cúpula de Zelensky pode indicar possível divisão global
Cúpula de Zelensky pode indicar possível divisão global
Tiroteio em parque aquático deixa 9 pessoas feridas nos EUA
Tiroteio em parque aquático deixa 9 pessoas feridas nos EUA
Líderes do G7 liberam juros de ativos russos para ajudar a Ucrânia
Líderes do G7 liberam juros de ativos russos para ajudar a Ucrânia
Mundo bate recorde de refugiados com conflitos no Sudão e em Gaza
Mundo bate recorde de refugiados com conflitos no Sudão e em Gaza

Brasília sediará Congresso Internacional Cidades Lixo Zero

O Serviço de Limpeza Urbana (SLU) se une a especialistas globais para promover práticas sustentáveis e políticas de lixo zero Entre 25 e 27 de junho, Brasília será o palco da terceira edição do Congresso Internacional Cidades Lixo Zero. O evento, que será realizado no Museu Nacional da República, conta

Leia mais...

Mais de 1,5 milhão de pessoas atendidas pelos programas sociais do GDF

Do Cartão Prato Cheio ao Cartão Gás, passando pela Política de Assistência Estudantil, benefícios geraram, desde 2019, investimento de R$ 1,9 bilhão, beneficiando famílias em situação de vulnerabilidade social e impulsionando a economia Investir em pessoas e no desenvolvimento delas é uma ação perene do Governo do Distrito Federal (GDF).

Leia mais...

STF retoma julgamento sobre atendimento de pessoas trans no SUS

Sessão virtual começou hoje e vai até 28 de junho. O Supremo Tribunal Federal (STF) (foto) retomou nesta sexta-feira (21), em Brasília, a discussão sobre o atendimento de pessoas transexuais no Sistema Único de Saúde (SUS).  A Corte julga em plenário virtual a liminar proferida em 2021 pelo ministro Gilmar

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.