19/05/2024

Governo ganha fôlego em meio à desarticulação com Congresso

Aliado peculiar, Alcolumbre deixou a casa arrumada para o governo. Parlamentar costura o seu retorno à presidência do Senado - (crédito: Pedro França/Agência Senado)

A última sessão de vetos presidenciais mostra que ainda falta diálogo entre Poderes. Planalto adiou votações para fugir de derrotas, mas não garantiu apoio no futuro

O Congresso Nacional apreciou na última semana uma leva de vetos presidenciais, entre eles aqueles que tratavam do Orçamento 2024 e que permitiram o redirecionamento de emendas para o socorro ao Rio Grande do Sul. Nem todos os vetos pendentes, no entanto, foram analisados pelos deputados e senadores, e o líder do governo, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), leu uma lista com aqueles que seriam adiados, mediante acordo entre os líderes partidários. A ocasião acabou sendo mais uma demonstração da dificuldade na articulação do governo com os parlamentares.

A oposição se recusou a adiar a análise do veto ao projeto de lei (PL) que extingue as saídas de presos do regime semiaberto em datas comemorativas, restringindo o direito para fins de estudo ou trabalho. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vetou um trecho que proíbe a visita a familiares. Desde abril, a oposição já declarava que a decisão do petista seria derrubada. Por outro lado, aliados do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) defendiam o adiamento de um veto de 2021 a trechos da Lei de Segurança Nacional.

O líder da minoria no Congresso e relator do chamado PL das saidinhas, Flávio Bolsonaro (PL-RJ), pediu que o veto à Lei de Segurança fosse retirado de pauta, o que foi recusado por Randolfe. O Correio apurou que havia um sentimento comum entre parlamentares de oposição de que não haveria votos suficientes para manter o veto de Bolsonaro. O impasse atrasou o início da longa sessão em pelo menos duas horas, e o líder governista disse que só acordaria a retirada do veto se o das saidinhas também fosse adiado. No fim, a análise de ambos foi transferida para o próximo dia 28, mas a casa arrumada para o governo quem garantiu mesmo foi um aliado peculiar, o senador Davi Alcolumbre (União-AP).

O parlamentar, que costura o retorno à presidência do Senado, foi crítico ao vai e vem: “Se constrói um entendimento na derrubada ou na manutenção do veto de manhã, de tarde todos os dispositivos mudam e à noite aparece outra tabela com outros dispositivos para manter ou derrubar”. E deixou claro que a bronca não escapava às negociações visivelmente frágeis do governo. “Na verdade, não adianta fazer um apanhado dos últimos encontros de deputados e senadores em relação a essa sessão do Congresso. Não vamos discutir o que já foi conversado por várias vezes. Infelizmente, no dia de hoje, ainda não conseguiu se construir um entendimento mínimo para deliberação da matéria”, queixou-se.

A situação do governo Lula no Congresso não é fácil, ainda que o presidente tenha dito esta semana, ao lado do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que não houve “um único projeto do governo derrotado, todos foram aprovados”. As críticas ao ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, o acompanham desde o início do governo, mas parlamentares também reconhecem as dificuldades de Randolfe em articular vitórias ao Planalto.

Prova disso, conforme um senador analisou ao Correio, foram os dois adiamentos apressados da sessão do Congresso para análise de vetos. Ambas ocorreram no dia previsto e líderes da Câmara relatam que Lira chegou a questionar se algum parlamentar teria sido procurado por Randolfe antes da sessão que aconteceria no dia 24 de abril. A tragédia no Rio Grande do Sul acabou sendo uma ajuda para a convergência na última sessão.

“(Foi) Muito importante essa sessão de hoje (quinta), inclusive para a votação e aprovação dos projetos de lei do Congresso Nacional que são imprescindíveis nesse momento para o estado do Rio Grande do Sul. E, em função dessa tragédia, essa convergência do Executivo com o Legislativo se mostra mais importante do que nunca. Cada dia é uma etapa, cada dia é uma realização”, comentou após a sessão que teve a duração de mais de sete horas.

Playvolume00:00/00:

Randolfe, por sua vez, conseguiu fechar um acordo que garantisse o adiamento aos vetos de Lula que envolvem o calendário de liberação de emendas, importante ferramenta de negociação para o governo federal. O chefe do Executivo vetou um trecho da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) que impõe um calendário a ser cumprido até o dia 30 de junho, tendo em vista o prazo de envio de emendas aos municípios dentro do prazo eleitoral. O acordo envolve o pagamento de 55% dessas emendas individuais de transferências especiais, as chamadas emendas Pix, até a data.

Tribuna Livre, com informações da Agência Senado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Ministério Público pede multa a Lula por pedir votos para Boulos
Ministério Público pede multa a Lula por pedir votos para Boulos
Senado pede ao STF suspensão de liminar para resolver desoneração
Senado pede ao STF suspensão de liminar para resolver desoneração
Julgamento de Moro no TSE é suspenso e retorna na próxima terça
Julgamento de Moro no TSE é suspenso e retorna na próxima terça
Bolsonaro terá alta na sexta e virá para Brasília, após dez dias internado
Bolsonaro terá alta na sexta e virá para Brasília, após dez dias internado
Justiça de SP aceita denúncia e Boulos vira réu por chamar Weintraub de "imbecil
Justiça de SP aceita denúncia e Boulos vira réu por chamar Weintraub de "imbecil"
Lula lamenta morte de médico em abrigo no Rio Grande do Sul
Lula lamenta morte de médico em abrigo no Rio Grande do Sul
"Um passo muito importante", diz Leite sobre suspensão da dívida do RS
"Um passo muito importante", diz Leite sobre suspensão da dívida do RS
Arthur Lira processa Felipe Neto por ter sido chamado de 'excrementíssimo'
Arthur Lira processa Felipe Neto por ter sido chamado de 'excrementíssimo'
Tragédia no RS não impede avanço de "pacote da destruição" no Congresso
Tragédia no RS não impede avanço de "pacote da destruição" no Congresso
Vou fazer o que com R$ 300 mil, diz prefeito de Farroupilha a Pimenta
Vou fazer o que com R$ 300 mil, diz prefeito de Farroupilha a Pimenta.
Após longo debate, sai consenso sobre desoneração da folha de pagamentos
Após longo debate, sai consenso sobre desoneração da folha de pagamentos
Projeto de Hugo Motta autoriza banco a 'confiscar' contas e FGTS para pagar dívidas
Projeto de Hugo Motta autoriza banco a 'confiscar' contas e FGTS para pagar dívidas

Milhares de fieis prestigiam Festa do Divino, em Planaltina

Segunda maior celebração religiosa da região recebeu mais de R$ 1,2 milhão de investimento do GDF; festejos continuam neste domingo (19) Símbolo da fé brasiliense, a Festa do Divino Espírito Santo, em Planaltina, reuniu milhares de devotos neste sábado (18). O festejo começou logo cedo com a tradicional cavalgada –

Leia mais...

Escola Técnica de Santa Maria forma 169 alunos da primeira turma.

A deputada distrital Jaqueline Silva, emocionada, manifestou grande satisfação por mais essa conquista para a cidade. A deputada Jaqueline Silva declarou com emoção: “Não há palavras para expressar a minha satisfação em ver essa grande conquista beneficiando tantas pessoas.” Ela se referia à formatura de 169 alunos das primeiras turmas

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.