16/06/2024

O embate com o Congresso enfraquece a posição do Supremo Tribunal.

Ministro Luís Roberto Barroso estaria abalado por conta da crise - (crédito: Carlos Moura/SCO/STF)

Os membros da Suprema Corte enfrentam as consequências da emenda que restringe os poderes dos juízes. Especialistas ressaltam o aumento da tensão entre as instituições.

Na última semana, o Supremo Tribunal Federal (STF) voltou a ser destaque devido à aprovação de uma emenda que restringe os poderes dos ministros da Corte. Essa situação causou desconforto entre os magistrados, deixando o presidente da instituição, Luís Roberto Barroso, notavelmente abalado.

O tribunal está considerando a possibilidade de bloquear a proposta aprovada em dois turnos pelo Senado, que agora segue para tramitação na Câmara dos Deputados. Na semana passada, o presidente do STF, juntamente com os ministros Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes, expressaram publicamente críticas à aprovação da proposta, usando termos como “intimidação”, “retrocesso” e “ataque à democracia”.

Nos bastidores, os membros do Supremo reconhecem que uma crise está instalada, resultando no desgaste da imagem da Corte. Agora, aguardam ser acionados para julgar a proposta que trata de seus próprios poderes, o que provavelmente resultará em novos conflitos entre as instituições.

A inclusão do STF nas pautas de votação do Senado, com a intenção de enfraquecê-lo, é vista como uma abordagem arriscada e de desfecho incerto por políticos e especialistas. A movimentação do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, é considerada exitosa por alguns, especialmente entre os bolsonaristas, mas é vista por outros como uma ação de interesse quase individual visando benefícios eleitorais, sem uma compreensão total das consequências, conforme avaliam ministros do STF, parlamentares e auxiliares do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A combinação de forças que uniu aliados do ex-presidente Jair Bolsonaro, o Centrão, apoiadores do Planalto e até mesmo o líder do governo, Jaques Wagner, com 52 votos a favor da emenda constitucional, sob o comando de Pacheco, indica que a política decidiu se intrometer no Judiciário. O que antes era uma queixa de seguidores do ex-presidente, agora se transformou em uma emenda constitucional que restringe os poderes dos ministros.

Especialistas destacam que, no contexto das instituições jurídicas de um país, é crucial manter mecanismos de independência e harmonia entre elas. A decisão do Senado, aprovando a PEC anti-STF, é considerada inadequada por alguns, visto que o próprio regimento interno do tribunal já alterou esse rito e decidiu limitar as decisões individuais. No entanto, há consequências políticas, sinalizando para o eleitorado uma contestação em relação ao STF e gerando instabilidade política e atritos entre os poderes.

Rodrigo Pacheco realiza movimentos que incluem se aproximar de Lula na resolução da dívida bilionária do governo de Minas Gerais com a União, ao mesmo tempo em que articula pautas de desinteresse do Planalto, como essa emenda aprovada. Ele ainda planeja apresentar propostas para limitar o mandato dos ministros e acabar com a reeleição para os Executivos. Esse cenário é interpretado como um sinal ao Planalto, com Pacheco buscando vitórias políticas e ameaçando o STF com suas votações. O desdobramento dessa dinâmica ainda é incerto, mas evidencia a complexidade das relações entre os poderes no atual cenário político brasileiro.

Tribuna Livre, com informações da Agência Senado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Dino envia indiciamento de Juscelino Filho por corrupção à PGR
Dino envia indiciamento de Juscelino Filho por corrupção à PGR
Caso Moraes: TCU vai apurar promoção de delegado da PF
Caso Moraes: TCU vai apurar promoção de delegado da PF
Nova ponte sobre o Rio Tocantins será inaugurada nesta sexta-feira (14)
Nova ponte sobre o Rio Tocantins será inaugurada nesta sexta-feira (14)
Naval, considerado “homem de guerra”, assume maior milícia do Rio
Naval, considerado “homem de guerra”, assume maior milícia do Rio
País corre e tenta atingir meta de vacinação contra a poliomielite
País corre e tenta atingir meta de vacinação contra a poliomielite
Existem duas habilidades que Deus dá aos obreiros: uma é realizar a obra de Deus através dos cargos ministeriais e a outra é a de realizar obras para Deus
Existem duas habilidades que Deus dá aos obreiros: uma é realizar a obra de Deus através dos cargos ministeriais e a outra é a de realizar obras para Deus.
Deputada manda 100% das emendas para cidade chefiada pelo marido
Deputada manda 100% das emendas para cidade chefiada pelo marido
MP-SP abre guerra contra a Bíblia
MP-SP abre guerra contra a Bíblia
STF rejeita recurso que tratava do uso de banheiros por transexuais
STF rejeita recurso que tratava do uso de banheiros por transexuais
Com confusão, Conselho de Ética arquiva processo contra Janones
Com confusão, Conselho de Ética arquiva processo contra Janones
Lula e Marina fazem balanço e anunciam medidas no Dia do Meio Ambiente
Lula e Marina fazem balanço e anunciam medidas no Dia do Meio Ambiente
Defensoria Pública pede indenização para carros deixados no aeroporto de Porto Alegre
Defensoria Pública pede indenização para carros deixados no aeroporto de Porto Alegre

Justiça expede mandado de prisão contra Maurício Sampaio

Defesa prepara um novo habeas corpus O Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) expediu na tarde desta sexta-feira (14), os mandados de prisão de Maurício Sampaio e policial militar reformado Ademá Figueiredo, condenados pelo assassinato do radialista Valério Luiz de Oliveira em 2012. O despacho foi assinado pelo juiz Lourival

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.