21/06/2024

O que estados têm feito para lidar com catástrofes como no RS

As cenas de destruição no Rio Grande do Sul, atingido por fortes chuvas desde o fim de abril, reacenderam um debate no Brasil sobre ações e medidas de prevenção para evitar a destruição provocada pela força das águas.

Após enchentes no Rio Grande do Sul, o portal buscou saber que providências outros estados têm tomado para lidar com tragédias

Segundo dados do Centro de Monitoramento e Alertas de Desastre Naturais (Cemaden), mais de 1,9 milhão de brasileiros estavam expostos a áreas com risco de inundação segundo dados do Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010.

O núcleo, vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, ainda aponta que desde 2016 o Brasil enfrentou mais de 7,6 mil eventos hidrológicos, sendo 78 deles considerados de grande porte. Do número total, 1.346 aconteceram em 2023.

No período, o total de danos materiais em unidades habitacionais, instalações públicas e obras de infraestrutura ligados a eventos de origem hidrológica, como enchentes, atingiu a soma de R$ 11.356.286.458,31.

Com os dados, a reportagem procurou governos de estados que sofreram com enchentes nos últimos anos para entender o que foi feito, de lá para cá, na tentativa de minimizar os impactos de eventos extremos como o que atingiu o Rio Grande do Sul recentemente.

São Paulo

Com um longo histórico de inundações, o estado de São Paulo viu a força das águas invadir o litoral norte e partes da capital no último ano. Ao todo, 65 pessoas morreram em decorrência das enchentes e mais de 4 mil ficaram desabrigadas.

O município mais afetado na época foi São Sebastião, que registrou grande estrago na Vila Sahy, onde cerca de 3,2 mil pessoas residiam em casas em situações precárias.

Mara Ramos, superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) ligada à Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística (Semil), afirma que um dos principais focos do governo de São Paulo é tornar as cidades do estado mais resistentes a eventos do tipo.

“Nós trabalhamos em parceria com os municípios através de ações para tornar as cidades mais resilientes contra inundações”, explica.

Segundo a superintendente, o estado investiu R$ 650 milhões por meio do departamento em ações que envolvem a limpeza de sedimentos de rios, aumentando a capacidade de escoamento e armazenamento de água; sistemas de bombeamento para escoamento de enchentes; além da construção de represas.

O governo paulista ainda criou, em 2022, o programa Rios Vivos, que trabalha em parceria com prefeituras para manutenção e revitalização de margens e cursos d’água no estado.

Minas Gerais

Entre o fim de 2021 e início de 2022, Minas Gerais enfrentou fortes enchentes que desabrigaram mais de 60 mil pessoas em 450 municípios afetados. Cerca de 30 pessoas morreram durante o período.

Já no início deste ano, 24 municípios entraram em situação de emergência por causa das chuvas no estado.

De acordo com a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), o governo de Minas Gerais tem investido em obras de contenção, principalmente na região metropolitana de Belo Horizonte.

Ao todo, R$ 319,2 milhões já foram gastos pela Secretaria de Estado de Infraestrutura, Mobilidade e Parcerias (Seinfra) na construção de cinco bacias de contenção.

Além disso, o governo estadual criou uma campanha envolvendo a população civil e sistemas de alertas por meio de mensagens SMS.

“As mensagens SMS informam sobre tempestades, riscos geológicos, raios e outras situações de risco. Para se cadastrar, basta enviar uma mensagem com o CEP do local desejado para o número 40199. Atualmente, Minas Gerais está entre os três estados com maior percentual de cadastrados”, informou a Cedec por meio de nota encaminhada à reportagem.

Rio de Janeiro

Em fevereiro de 2022, o estado do Rio de Janeiro registrou um dos maiores desastres ambientais de sua história em Petrópolis, quando enchentes deixaram diversas ruas da cidade alagadas além de mais de 770 deslizamentos de terra.

Na época, 241 pessoas morreram como consequência das inundações que provocaram os deslizamentos na cidade localizada na Região Serrana, que registrou 260 mm de chuva no período de seis horas.

Após o rastro de destruição, o governo estadual passou a investir no reforço e prevenção contra o impacto das fortes chuvas no estado.

O governo do Rio de Janeiro afirmou que uma das principais ações em Petrópolis é a revitalização do túnel extravasor do Rio Palatinato, responsável por desviar as águas do centro da cidade para o Rio Piabanha.

“Essa é a primeira intervenção realizada na galeria subterrânea do túnel desde sua criação, há mais de 60 anos”, diz a assessoria de imprensa do governo em nota.

Ao todo, a Secretaria de Infraestrutura e Obras Públicas diz ter investido mais de R$ 521 milhões na região, em 16 obras.

Além disso, a manutenção de rios é outra preocupação, com mais de R$ 44 milhões investidos na limpeza e rios e canais em Petrópolis. Segundo dados enviados para a reportagem, mais de 248.578 metros cúbicos de sedimentos já foram removidos de rios e canais da cidade desde 2022.

Outras medidas

Apesar das respostas que governos estaduais têm buscado para diminuir o impacto de enchentes, especialistas ouvidos pelo Metrópoles afirmam que a ocorrência de inundações e as práticas de prevenção são condicionadas a diversos fatores.

“Podemos dizer que existe uma série de fatores que podem contribuir para a ocorrência de grandes cheias”, explica Thais Magalhães Possa, engenheira ambiental e sanitarista e doutoranda em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental no Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) da UFRGS.

“Contudo, uma forçante que afeta todo o planeta e que controla os aspectos relacionados ao clima e chuvas é a temperatura dos oceanos. E o que estamos vendo nos anos de 2023 e 2024 são sucessivas quebras de recordes nas temperaturas dos oceanos. Esses aumentos levam à diversas ocorrências de extremos climáticos como esses que estamos vendo”, afirma.

Segundo a engenheira ambiental, além de enxergar os problemas ligados à ação humana no clima, outras medidas podem ser tomadas para lidar com possíveis eventos do tipo.

“Pode-se pensar em zoneamento das zonas de passagem de cheias para evitar suas ocupações, estruturas resilientes a elas ou, em último caso, sistemas de contenção de cheias para reduzir os prejuízos causados por tais eventos, tais como diques e muros”, diz. “Além disso, os governos devem garantir que as devidas medidas sejam adotadas e investir fortemente em sistemas de monitoramento e alerta”, afirma.

Tribuna Livre, com informações do Centro de Monitoramento e Alertas de Desastre Naturais (Cemaden)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Marcos do Val e Gilvan da Federal batem boca em aeroporto
Marcos do Val e Gilvan da Federal batem boca em aeroporto
Lula sobe tom sobre greve em universidades: “Espero compreensão”
Lula sobe tom sobre greve em universidades: “Espero compreensão”
Leilão de arroz: presidente da Comissão de Agricultura fala em fraude
Leilão de arroz: presidente da Comissão de Agricultura fala em fraude
País tem novo recorde da dengue com 6 milhões de casos e 4 mil mortes
País tem novo recorde da dengue com 6 milhões de casos e 4 mil mortes
Homem é preso novamente por tentar violentar enteada com quem já tem um filho após estupro, na PB
Homem é preso novamente por tentar violentar enteada com quem já tem um filho após estupro, na PB
Chuvas em Pernambuco: inundação de rios, desabrigados e transtornos são registrados
Chuvas em Pernambuco: inundação de rios, desabrigados e transtornos são registrados
Dino envia indiciamento de Juscelino Filho por corrupção à PGR
Dino envia indiciamento de Juscelino Filho por corrupção à PGR
Caso Moraes: TCU vai apurar promoção de delegado da PF
Caso Moraes: TCU vai apurar promoção de delegado da PF
Nova ponte sobre o Rio Tocantins será inaugurada nesta sexta-feira (14)
Nova ponte sobre o Rio Tocantins será inaugurada nesta sexta-feira (14)
Naval, considerado “homem de guerra”, assume maior milícia do Rio
Naval, considerado “homem de guerra”, assume maior milícia do Rio
País corre e tenta atingir meta de vacinação contra a poliomielite
País corre e tenta atingir meta de vacinação contra a poliomielite
Existem duas habilidades que Deus dá aos obreiros: uma é realizar a obra de Deus através dos cargos ministeriais e a outra é a de realizar obras para Deus
Existem duas habilidades que Deus dá aos obreiros: uma é realizar a obra de Deus através dos cargos ministeriais e a outra é a de realizar obras para Deus.

Por que Vietnã desafia os EUA para receber Putin

A viagem de Putin ao Vietnã está sendo interpretada como uma demonstração do apoio que a Rússia ainda possui na região. Os líderes do Vietnã e da Rússia disseram nesta quinta-feira (20/6) que querem reforçar os laços entre os países em uma reunião na capital vietnamita, Hanói. O presidente do

Leia mais...

Marcos do Val e Gilvan da Federal batem boca em aeroporto

Episódio ocorre logo depois que os políticos protagonizaram uma discussão na CCJ do Senado Federal O senador Marcos do Val (Podemos-ES) e o deputado Gilvan da Federal (PL-ES) discutiram, na manhã desta quinta-feira (20/6), no Aeroporto de Vitória Eurico de Aguiar Salles, no Espírito Santo. A relação entre os parlamentares

Leia mais...

Chrystian receberia transplante de rim da esposa no final do ano

Chrystian sofria de uma condição genética chamada rim policístico O cantor Chrystian, que faleceu aos 67 anos na última quarta-feira (19), estava se preparando para um transplante de rim no final deste ano, com sua esposa Key Vieira sendo a doadora. Chrystian sofria de uma condição genética chamada rim policístico,

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.