21/06/2024

Venezuela e Guiana concordam em não utilizar a força para resolver a questão de Essequibo.

Nesta foto divulgada pela assessoria de imprensa de Miraflores, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro - (crédito: Zurimar Campos / Venezuelan Presidency / AFP)

Maduro e Ali decidiram que se encontrarão novamente no Brasil, em três meses ou em um novo prazo a ser acordado, para retomar as discussões sobre a questão territorial.

Os presidentes da Venezuela, Nicolás Maduro, e da Guiana, Irfaan Ali, acordaram nesta quinta-feira, 14, não utilizar a força “em nenhuma circunstância” para resolver a disputa territorial pela região de Essequibo, conhecida por sua riqueza petrolífera. O encontro ocorreu em Argyle, no arquipélago caribenho de São Vicente e Granadinas, e contou com a participação do assessor especial para Assuntos Internacionais, Celso Amorim, em representação ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Uma declaração conjunta com 11 tópicos foi emitida após a reunião.

Ambos os países concordaram que “qualquer controvérsia entre os dois Estados será resolvida em conformidade com o direito internacional, incluindo o Acordo de Genebra de 17 de fevereiro de 1966”. Neste acordo, o Reino Unido, colonizador da Guiana, reconheceu a existência de uma disputa territorial desde o século 19. Apesar disso, a Guiana alcançou sua independência no mesmo ano, e a questão permanece pendente desde então. No início do mês, Maduro patrocinou um plebiscito reivindicando a posse de Essequibo.

Maduro e Ali concordaram em realizar uma nova reunião no Brasil, daqui a três meses ou em um novo prazo a ser acordado, para retomar as discussões sobre a questão territorial. Um dos tópicos da declaração destaca que “os dois países concordaram em estabelecer imediatamente uma comissão conjunta dos ministros de Relações Exteriores e de técnicos dos dois Estados para tratar de questões mutuamente acordadas. Uma atualização desta comissão conjunta será submetida aos presidentes da Guiana e da Venezuela dentro de três meses.” O texto também menciona a escolha de Lula como um dos interlocutores internacionais, e o secretário-geral da ONU, António Guterres, como um dos observadores.

Tribuna Livre, com informações da AFP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
O 'inquietante' pacto de proteção mútua entre Rússia e Coreia do Norte
O 'inquietante' pacto de proteção mútua entre Rússia e Coreia do Norte
Como família mais rica do Reino Unido foi parar no banco dos réus por tráfico de pessoas
Como família mais rica do Reino Unido foi parar no banco dos réus por tráfico de pessoas
Faixa de Gaza: Netanyahu reage a racha e dissolve o gabinete de guerra
Faixa de Gaza: Netanyahu reage a racha e dissolve o gabinete de guerra
Quais as intenções de Putin em visita a Kim Jong Un, na Coreia do Norte
Quais as intenções de Putin em visita a Kim Jong Un, na Coreia do Norte
Cúpula de Zelensky pode indicar possível divisão global
Cúpula de Zelensky pode indicar possível divisão global
Tiroteio em parque aquático deixa 9 pessoas feridas nos EUA
Tiroteio em parque aquático deixa 9 pessoas feridas nos EUA
Líderes do G7 liberam juros de ativos russos para ajudar a Ucrânia
Líderes do G7 liberam juros de ativos russos para ajudar a Ucrânia
Mundo bate recorde de refugiados com conflitos no Sudão e em Gaza
Mundo bate recorde de refugiados com conflitos no Sudão e em Gaza
Enfermeira britânica condenada por matar bebês volta a julgamento
Enfermeira britânica condenada por matar bebês volta a julgamento
Conselho de Segurança da ONU apoia plano dos EUA para trégua em Gaza
Conselho de Segurança da ONU apoia plano dos EUA para trégua em Gaza
Macron antecipa eleições na França após vitória da extrema direita na votação para o Parlamento Europeu
Macron antecipa eleições na França após vitória da extrema direita na votação para o Parlamento Europeu
Faixa de Gaza: Hamas ameaça reféns após operação de resgate em Nuseirat
Faixa de Gaza: Hamas ameaça reféns após operação de resgate em Nuseirat

Leilão de arroz: presidente da Comissão de Agricultura fala em fraude

Ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, prestou esclarecimentos à Comissão na Câmara sobre leilão para compra de arroz feito pelo governo O presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES), chamou o leilão de arroz realizado pelo governo federal de “esquema fraudulento”. O

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.