20/06/2024

Em clima de faroeste, jagunços ameaçam trabalhadores rurais no DF

Homens armados hostilizaram trabalhadores rurais de uma fazenda nos entornos de Goiás, na madrugada de domingo (25/6), na entrada do assentamento, na Fazenda Cangalha.

Em clima de faroeste, imagens registram o momento que jagunços da propriedade ameaçaram os assentados do Movimento Sem Terra (MST).

Os assentados estão no local há 8 anos. Após negociação do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) com um antigo dono da fazenda, para quitar parte da dívida, os trabalhadores passaram a usufruir das terras, com autorização da autarquia. Após a morte do proprietário, seus herdeiros entraram em conflitos fundiários.

Havia a previsão de servidores do Incra irem até o local checar o diagnóstico da área e dar continuidade ao processo parado desde 2019, de aquisição de terras. “A área em questão foi destinada à reforma agrária, porém, a partir de 2019, houve a paralisação de todos os processos de aquisição de terras e de criação de assentamentos. No momento, o Incra trabalha para retomar esses processos”, disse o instituto, em nota.

O Metrópoles  acessou um relatório do Departamento de Mediação e Conciliação de Conflitos Agrários, do Ministério de Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, a processos do inventário da família, com herança de R$ 207 milhões, mas R$ 132 milhões em dívidas e a ofício da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, do Ministério Público Federal, que identificam o conflito.

Os relatos dos trabalhadores rurais são de horror e medo. José dos Santos (43), que estava com o filho Ítalo, de 2 anos no colo, desabafou: “É uma dor, um sofrimento muito grande. Eu achei que ele ia atirar na gente”. José relatou ainda não conseguir dormir por dias, e o assentamento, que reúne 280 famílias, se organizou em vigílias, com turnos das 19h à 0h e da 0h às 7h.

Servidores do Ministério Público Federal (MPF), da Promotoria Pública de Formosa, da Procuradoria-Geral da República (PGR) e da Polícia Federal (PF) se reuniram após a denúncia das ameaças para assegurar que o Incra execute o trabalho com segurança. Segundo o Ministério Público de Goiás, houveram outras violações aos direitos humanos denunciadas.

Andrea Beatriz Rodrigues de Barcelos, promotora da 6ª Promotoria de Justiça de Formosa foi até o local acompanhada de representantes de outros órgãos. “Na oportunidade, ouvida a comunidade, foram relatadas diversas violações a direitos fundamentais das famílias acampadas, como a falta de acesso à água potável, restrições de locomoção, com fechamento de estradas, ameaças, presença de drones violando a privacidade das famílias etc.”, cita o documento.

Outra das moradoras do assentamento, de 28 anos, afirmou ter vivido noites de terror: “Todas as noites, parava um carro perto da casa, desciam os homens e faziam agitação na corrente como se quisessem abrir a porteira”, contou, sem identificar-se por medo. De acordo com ela, os jagunços faziam as rondas em horários específicos. “Era por volta das 20h, das 3h e das 5h”, revelou.

Em 31 de agosto de 2014, para pressionar por reforma agrária, 3 mil famílias de trabalhadores rurais do Movimento Sem Terra (MST) ocuparam o complexo de fazendas entre os municípios de Corumbá de Goiás e Alexânia, denominado Fazenda Santa Mônica, de propriedade do então senador Eunício Oliveira. Após falecimento de Eunício, seus herdeiros disputam as terras com os trabalhadores. Em um dos processos, os familiares alegam a previsão do pagamento de 90% em títulos da dívida agrária. No entanto, o Incra informou que a superintendência do DF está em fase de elaboração de um diagnóstico das famílias acampadas no imóvel e acrescentou que, os processos de incorporação de áreas para reforma agrária seguem o rito legal composto de etapas importantes.

Homens armados bloqueiam entrada de fazenda no DF.

(Foto: reprodução)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
As urnas utilizadas na eleição para o Conselho Tutelar recebem dados e informações relacionadas aos candidatos.
As urnas utilizadas na eleição para o Conselho Tutelar recebem dados e informações relacionadas aos candidatos.
A Ouvidoria-Geral já registrou mais de 234 mil atendimentos em 2023.
A Ouvidoria-Geral já registrou mais de 234 mil atendimentos em 2023.
Policial penal é o primeiro do DF a liderar curso de ação tática especial
Policial penal é o primeiro do DF a liderar curso de ação tática especial
Escolas rurais encontram no asfalto um aliado para a educação
Escolas rurais encontram no asfalto um aliado para a educação
Semana começa com 227 vagas nas agências do trabalhador
Semana começa com 227 vagas nas agências do trabalhador
Campanha no metrô alerta para a violência contra a mulher
Campanha no metrô alerta para a violência contra a mulher
Projeto do GDF é premiado em fórum de nutricionistas da assistência social
Projeto do GDF é premiado em fórum de nutricionistas da assistência social
Recuperação da Avenida Sayonara irá beneficiar 8 mil motoristas no Gama
Recuperação da Avenida Sayonara irá beneficiar 8 mil motoristas no Gama
O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) anuncia um novo recorde anual de temperatura em todas as estações do Distrito Federal
O Inmet anuncia um novo recorde de temperatura em todas as estações do Distrito Federal
Vacinação para todas as idades no Parque da Cidade vai até domingo
Vacinação para todas as idades no Parque da Cidade vai até domingo
DF3
Programa de microcrédito do governo gerou quase mil empregos em 2023
Alunas do DF conquistam ouro em etapa da Olimpíada Brasileira de Geografia
Alunas do DF conquistam ouro em etapa da Olimpíada Brasileira de Geografia

Leilão de arroz: presidente da Comissão de Agricultura fala em fraude

Ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, prestou esclarecimentos à Comissão na Câmara sobre leilão para compra de arroz feito pelo governo O presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES), chamou o leilão de arroz realizado pelo governo federal de “esquema fraudulento”. O

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.