20/06/2024

Brasil e outros países pedem acordo por eleições livres na Venezuela

Segundo documento conjunto divulgado nesta terça-feira (18/7), as sanções europeias à Venezuela podem ser encerradas caso haja eleições transparentes, livres e justas no país latino-americano

Argentina, Brasil, Colômbia, França e União Europeia emitiram nesta terça-feira (18/7) uma declaração conjunta pedindo que a Venezuela realize eleições justas e transparentes no ano que vem, podendo levar ao encerramento das sanções contra o país sul-americano.

O documento foi emitido após reunião entre governo de Nicolás Maduro e oposição da Venezuela, ontem (17), intermediado por representantes dos países que assinam a nota, incluindo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Além de Lula, estiveram presentes os presidentes da França, Emmanuel Macron, da Colômbia, Gustavo Petro, da Argentina, Alberto Fernández, o Alto Representante da União Europeia para Relações Exteriores e Política de Segurança, Josep Borrell, a vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, e o negociador-chefe da Plataforma Unitária da oposição venezuelana, Gerardo Blyde.

“Os chefes de Estado e o Alto Representante instaram o governo venezuelano e a plataforma unitária da oposição venezuelana a retomar o diálogo e a negociação no âmbito do processo do México, com o objetivo de chegarem a um acordo, entre outros pontos da agenda, sobre as condições para as próximas eleições”, diz a nota, divulgada pelo Planalto.

Suspensão de sanções

Em novembro do ano passado, governo e oposição da Venezuela assinaram um acordo após tratativas no México, visando medidas especialmente na área social. Com isso, os Estados Unidos aliviaram parte das sanções ao petróleo venezuelano.

A declaração divulgada hoje pede “eleições justas para todos, transparentes e inclusivas”, com participação de qualquer candidato que deseje competir. Ela também pede que sejam respeitados os tratados internacionais, e que outros país possam acompanhar o processo. Até o momento, a Venezuela sinalizou que não permitirá observadores da União Europeia nas suas eleições.

“Esse processo deve ser acompanhado de uma suspensão das sanções, de todos os tipos, com vistas à sua suspensão completa”, frisa o documento. Além dos Estados Unidos, a União Europeia impõe fortes sanções ao país. Os signatários também pedem que um novo balanço sobre as negociações seja feito no Fórum da Paz de Paris, marcado para 11 de novembro deste ano.

Argentina, Brasil, Colômbia, França e União Europeia emitiram uma declaração conjunta pedindo eleições justas e transparentes na Venezuela –

 (crédito: Ricardo Stuckert)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Ministro Barroso afirma que a alternância de poder é uma parte essencial da vida.
Ministro Barroso afirma que a alternância de poder é uma parte essencial da vida.
Lula busca sintonia com Lira para tocar acordos
Lula busca sintonia com Lira para tocar acordos
Decisão do STF contra réus do 8/1 é criticada por dupla punição e deve ser alvo de recursos
Decisão do STF contra réus do 8/1 é criticada por dupla punição e deve ser alvo de recursos
TCU pede informações ao governo sobre ações de combate a fraudes em compras internacionais
TCU pede informações ao governo sobre ações de combate a fraudes em compras internacionais
MARCO TEMPORAL
Marco temporal: a histórica vitória dos indígenas no Supremo
DINO
Lula é alertado sobre uma consequência negativa de indicar Dino ao STF
LULA
Lira alerta que governo deve ter cuidados com "excessos" da PF
LULA
Presidente Lula participa de jantar com empresários em Nova York
CONGRESSO
Candidaturas de mulheres e negros sob ataque em propostas no Congresso
voo
Lula vai para Cuba e Estados Unidos, e passa Presidência a Alckmin
RODRIGO
Senado vai apresentar PEC para criminalizar porte de drogas
XANDE
8/1: Defesa de acusado diz que julgamento é político; Moraes rebate

Leilão de arroz: presidente da Comissão de Agricultura fala em fraude

Ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, prestou esclarecimentos à Comissão na Câmara sobre leilão para compra de arroz feito pelo governo O presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES), chamou o leilão de arroz realizado pelo governo federal de “esquema fraudulento”. O

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.