21/06/2024

Fundo Constitucional do DF permanecerá sujeito ao marco fiscal

Destaque apresentado pela bancada do DF foi rejeitado em plenário por 316 votos. A expectativa é que medida seja revertida no Senado Federal

Apesar da união da bancada do Distrito Federal para retirar o Fundo Constitucional do DF do novo arcabouço fiscal, o destaque apresentado pelos parlamentares foi rejeitado por 316 votos a 160 e três abstenções. Segundo as estimativas, há potencial de um rombo de R$ 87 bilhões em 10 anos no orçamento da capital do país. A verba do Fundo é destinada ao custeio e à manutenção da segurança pública e ao auxílio nas despesas de saúde e educação da cidade.

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) tem expectativa de reverter a questão no Senado. “O fundo constitucional não estava no arcabouço. O relator colocou matéria como essa, que pode mudar a vida da capital sem discutir nada na calada da noite e não tem nem as informações, é muito ruim. Acho que no Senado a gente consegue reverter”, projetou. O senador também afirmou que a oposição quer que a medida passe pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). “Não tem lógica uma matéria dessa não passar pela comissão”, disse. Quanto aos impactos, os dados divergem, aponta o senador. “A CMO deu dados apontando que o DF não perderia muito, enquanto a Fazenda mostrou dados que o DF poderia perder muito. Por isso necessita de discussão”, disse.

A deputada Bia Kicis (PL-DF) fez um apelo em plenário para que os deputados ajudassem a bancada a barrar a medida. “Essa foi uma alteração incluída pelo relator que vai prejudicar imensamente a segurança pública do DF, em primeiro lugar. E aqui os nossos homens e mulheres das forças saíram prejudicados. Brasília não poderá mais fazer concurso. Hoje já temos um contingente menor do que a metade do necessário para que a gente mantenha as forças”, alertou.

A lei que criou o repasse, em vigor desde dezembro de 2002, estabelecia uma correção vinculada à variação da receita corrente líquida da União no período de um ano. Agora, a partir de 2025, ficará atrelada ao teto de despesas primárias, no limite de 2,5% por ano, acrescido do IPCA. Diversas figuras do DF estiveram reunidas ao longo da semana para tentar convencer o relator da proposta, Cláudio Cajado (PP-BA) a retirar o trecho do projeto, mas não obtiveram sucesso.

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) tem expectativa de reverter a questão no Senado. “O fundo constitucional não estava no arcabouço

 
 (crédito: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Ministro Barroso afirma que a alternância de poder é uma parte essencial da vida.
Ministro Barroso afirma que a alternância de poder é uma parte essencial da vida.
Lula busca sintonia com Lira para tocar acordos
Lula busca sintonia com Lira para tocar acordos
Decisão do STF contra réus do 8/1 é criticada por dupla punição e deve ser alvo de recursos
Decisão do STF contra réus do 8/1 é criticada por dupla punição e deve ser alvo de recursos
TCU pede informações ao governo sobre ações de combate a fraudes em compras internacionais
TCU pede informações ao governo sobre ações de combate a fraudes em compras internacionais
MARCO TEMPORAL
Marco temporal: a histórica vitória dos indígenas no Supremo
DINO
Lula é alertado sobre uma consequência negativa de indicar Dino ao STF
LULA
Lira alerta que governo deve ter cuidados com "excessos" da PF
LULA
Presidente Lula participa de jantar com empresários em Nova York
CONGRESSO
Candidaturas de mulheres e negros sob ataque em propostas no Congresso
voo
Lula vai para Cuba e Estados Unidos, e passa Presidência a Alckmin
RODRIGO
Senado vai apresentar PEC para criminalizar porte de drogas
XANDE
8/1: Defesa de acusado diz que julgamento é político; Moraes rebate

Leilão de arroz: presidente da Comissão de Agricultura fala em fraude

Ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, prestou esclarecimentos à Comissão na Câmara sobre leilão para compra de arroz feito pelo governo O presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES), chamou o leilão de arroz realizado pelo governo federal de “esquema fraudulento”. O

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.