26/05/2024

Governo de Lula será recordista no número de ministras

 O número de escolhidas é superior ao do governo Dilma
Rousseff, que teve 10


(crédito: Ed
Alves/CB/D.A Press)

O presidente
eleito Luiz Inácio Lula da Silva fechou, ontem, a composição de sua Esplanada
com um número recorde de mulheres no primeiro escalão. Serão 11 ministras em um
total de 37 pastas. Aumentar a participação feminina no governo foi uma das
promessas do petista durante a campanha eleitoral, embora ele tenha evitado se
comprometer com a paridade total nos cargos.

Também ontem,
Lula confirmou que a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil serão
capitaneados por gestoras. “Nunca antes na história do Brasil teve tantas
mulheres ministras”, discursou Lula. Os últimos anúncios de ministérios
foram feitos durante coletiva de imprensa, no Centro Cultural Banco do Brasil
(CCBB), sede do governo de transição.

“Nós vamos
ter uma mulher presidenta da Caixa Econômica Federal e uma mulher presidenta do
Banco do Brasil. O Banco do Brasil tem 200 anos, e nunca se pensou, nem de
perto, de se ter uma mulher na presidência. Vamos provar que uma mulher pode
ser muito melhor do que muitos homens que já presidiram o Banco do
Brasil”, declarou.

Entre as
ministras, as seis primeiras foram anunciadas ao longo das duas últimas
semanas. Luciana Santos chefiará a pasta de Ciência e Tecnologia. Já a Saúde
será liderada por Nísia Trindade. Para a Cultura, foi anunciada a cantora
Margareth Menezes. Cida Gonçalves estará à frente do Ministério da Mulher. A
Igualdade Racial ficará a cargo de Anielle Franco, irmã da vereadora assassinada
Marielle Franco. Por fim, Esther Duek chefiará o ministério da Gestão.

As cinco
restantes foram oficializadas ontem, embora quase todas já eram dadas como
certas para a composição da Esplanada. Simone Tebet irá para o Planejamento,
enquanto Marina Silva voltará a comandar o Meio Ambiente. Sônia Guajajara
ficará à frente do inédito Ministério dos Povos Indígenas. A ex-jogadora de
vôlei Ana Moser foi escolhida para chefiar o Ministério dos Esportes, e Daniela
do Waguinho, o do Turismo.

O recorde
anterior de participação feminina foi da ex-presidente Dilma Rousseff, com 10
mulheres no primeiro escalão. O marco atual ainda está longe da paridade, já
que as mulheres representam cerca de 51% da população brasileira. A composição,
porém, foi considerada um importante avanço por especialistas.

Após o anúncio
de Lula, algumas das futuras ministras falaram à imprensa. Em breve declaração,
Simone Tebet garantiu que trabalhará em conjunto com o próximo ministro da
Fazenda, Fernando Haddad. “Já começamos tendo três identidades: somos
professores universitários, ele tem parentes no meu estado, que são amigos em
comum, e nós somos de origem libanesa. Não tem como dar errado”, disse a
senadora. Tanto o Planejamento como a Fazenda são resultado do desmembramento,
em quatro pastas, do atual Ministério da Economia.

Liderança

Já Marina Silva
declarou que sua prioridade será combater o desmatamento, além de recolocar o
Brasil como liderança internacional em políticas ambientais. “Política
pública tem que ser duradoura, institucionalizada. Quando acontecem situações
como essas, que nós vimos acontecer no governo Bolsonaro, o que sobrevive? São
as políticas públicas bem desenhadas e institucionalizadas”, explicou a
deputada federal eleita.

Marina também
elogiou a forma como o gabinete provisório conduziu a questão ambiental, que
deve se refletir no trato dado ao tema pelo novo governo. “Foi muito rico,
durante o processo de transição, ver todos os setores dialogando com a questão
ambiental, com o termo de referência dado pelo presidente. Fico muito feliz,
porque, antes, o meio ambiente era um setorial apenas do Ministério do Meio
Ambiente.”

A futura
ministra adiantou que a pasta incluirá as Mudanças Climáticas em seu nome a
partir de janeiro e que o cargo da autoridade climática também será criado a
partir de março. Ela confirmou também sua participação no encontro anual do
Fórum Econômico Mundial, que ocorre entre 16 e 20 de janeiro em Davos, na
Suíça.

Sonia Guajajara,
por sua vez, comemorou a criação do Ministério dos Povos Indígenas, classificando
a pasta como “inédita e histórica”. Para ela, o gesto de Lula
representa uma reparação do direito dos povos indígenas. “É muito
significativo para a gente poder mostrar que nós, povos indígenas, podemos,
sim, fazer gestão”, enfatizou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Ministro Barroso afirma que a alternância de poder é uma parte essencial da vida.
Ministro Barroso afirma que a alternância de poder é uma parte essencial da vida.
Lula busca sintonia com Lira para tocar acordos
Lula busca sintonia com Lira para tocar acordos
Decisão do STF contra réus do 8/1 é criticada por dupla punição e deve ser alvo de recursos
Decisão do STF contra réus do 8/1 é criticada por dupla punição e deve ser alvo de recursos
TCU pede informações ao governo sobre ações de combate a fraudes em compras internacionais
TCU pede informações ao governo sobre ações de combate a fraudes em compras internacionais
MARCO TEMPORAL
Marco temporal: a histórica vitória dos indígenas no Supremo
DINO
Lula é alertado sobre uma consequência negativa de indicar Dino ao STF
LULA
Lira alerta que governo deve ter cuidados com "excessos" da PF
LULA
Presidente Lula participa de jantar com empresários em Nova York
CONGRESSO
Candidaturas de mulheres e negros sob ataque em propostas no Congresso
voo
Lula vai para Cuba e Estados Unidos, e passa Presidência a Alckmin
RODRIGO
Senado vai apresentar PEC para criminalizar porte de drogas
XANDE
8/1: Defesa de acusado diz que julgamento é político; Moraes rebate

DF amplia malha cicloviária e chega a 687 quilômetros de pistas

‌Desde 2019, foram construídos 220,52 km; capital tem a segundo maior conjunto de vias para ciclistas no país. GDF trabalha para interligar trechos e aumentar a mobilidade da população A malha cicloviária do Distrito Federal tem aumentado nos últimos anos. Atualmente, ela tem uma extensão de 687,12 km, distribuída em

Leia mais...

Marinhas do Brasil e dos EUA realizam operação em apoio ao RS

Operação tem como objetivo transferir doações para as vítimas das enchentes no estado de maneira mais ágil A Marinha do Brasil (MB) conduz, na próxima segunda-feira (27/5), uma operação de apoio à população do Rio Grande do Sul em meio à situação de calamidade pública causada pelas enchentes. A ação

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.