23/06/2024

Iraque condena Suécia por ter autorizado protesto onde Alcorão é queimado

Seguidores de líder religioso atacam representação do país escandinavo em Bagdá em protesto contra profanação do livro sagrado do Islã. Primeiro-ministro Mohamed Shia al-Sudani decide expulsar embaixadora do território iraquiano

A autorização concedida pela Suécia para a queima de uma cópia do Alcorão gerou uma crise diplomática entre o país escandinavo e o Iraque. Bagdá expulsou a embaixadora sueca, Jessica Svärdström, e chamou de volta seu representante em Estocolmo, após horas de forte tensão. Revoltados, cerca de 200 seguidores do influente líder religioso xiita Moqtada al-Sadr atearam fogo na sede da representação diplomática sueca, na madrugada de ontem, em protesto contra a profanação do livro sagrado do Islã.

Apesar da permissão ampla, Salwan Momika, um refugiado iraquiano de 37 anos que vive na Suécia, absteve-se, ontem, de queimar um exemplar do Alcorão, como havia feito em 28 de junho, em frente à maior mesquita de Estocolmo em 28 de junho. Desta vez, ele pisoteou numa publicação.

O governo iraquiano condenou o ataque à embaixada do país escandinavo, mas também emitiu um alerta a Estocolmo para que não permita o prosseguimento do protesto, ameaçando “romper” as relações bilaterais.

Autoridades suecas argumentam ter decidido autorizar a manifestação de Momika com base na legislação sobre os direitos de liberdade de reunião e expressão. “A Constituição estabelece que muitas razões são necessárias para negar a uma pessoa uma permissão para uma assembleia pública”, disse Ola Osterling, da polícia de Estocolmo.

Além da expulsão da embaixadora, o governo do primeiro-ministro iraquiano, Mohamed Shia al-Sudani, também decidiu suspender a licença de operação da gigante sueca das telecomunicações Ericsson, segundo um comunicado divulgado pela agência de notícias estatal INA.

Falha de segurança

Al-Sudani, porém, condenou — “nos termos mais fortes” — os acontecimentos ocorridos na embaixada sueca. “É uma falha de segurança grave que requer ação imediata”, admitiu o governo iraquiano em um comunicado, reafirmando o compromisso de garantir a proteção de todas as missões diplomáticas.

A embaixada já havia sido atacada em junho, quando Salwan Momika protagonizou a primeira manifestação. Entretanto, naquela ocasião, os seguidores de Moqtada al-Sadr saíram correndo quando a polícia iraquiana chegou ao local.

Sem saber a magnitude dos danos ao edifício incendiado, o Ministério de Relações Exteriores da Suécia informou que seus funcionários estavam “seguros”. O chanceler Tobias Billström convocou o encarregado de negócios iraquiano em Estocolmo para tratar do ataque. “O que ocorreu é totalmente inaceitável e o governo condena esses ataques da maneira mais forte possível”, enfatizou, em um comunicado. Billström lembrou que as autoridades iraquianas têm a obrigação de proteger as missões diplomáticas de acordo com a Convenção de Viena.

“É inaceitável que as forças de segurança iraquianas não tenham agido para impedir que os manifestantes invadissem o complexo da embaixada sueca pela segunda vez e o danificassem”, reagiu, por sua vez, o porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Matthew Miller.

Prisões

Após o ataque à embaixada, houve confrontos entre os seguidores de Moqtada Sadr com a polícia, que usou canhões de água para dispersar o protesto. Os manifestantes atiraram pedras contra as forças de segurança. O tumulto terminou com 20 prisões. Segundo o governo, os detidos serão levados à Justiça.

O gesto de Momika, que participou das massivas manifestações contra a corrupção no Iraque em 2009, já havia causado uma onda de críticas internacionais e desconforto na comunidade muçulmana.

As redes sociais do refugiado mostram que ele teve uma carreira política errática em seu país de origem, incluindo vínculos com uma facção armada cristã durante a luta contra o Estado Islâmico (EI). Também revelam a participação dele na criação de um obscuro partido político sírio, bem como rivalidades com paramilitares cristãos influentes e uma breve prisão. 

Seguidores do clérigo xiita Moqtada al-Sadr atearam fogo na embaixada sueca e, depois, entraram em confronto com a polícia: 20 prisões

– (crédito: AFP)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Líder da máfia italiana, Matteo Denaro morre aos 61 anos
Líder da máfia italiana, Matteo Denaro morre aos 61 anos
Joe Biden;  Estados Unidos
Os Estados Unidos reconhecem as Ilhas Cook e Niue como nações independentes
ESP
As imagens falsas de crianças nuas geradas por Inteligência Artificial que chocaram cidade da Espanha
Xenotransprante: Médicos americanos realizam 2º transplante de coração de porco em humanos
Xenotransprante: Médicos americanos realizam 2º transplante de coração de porco em humanos
Crianças roubam carro da mãe após perderem acesso a dispositivos eletrônicos nos EUA
Crianças roubam carro da mãe após perderem acesso a dispositivos eletrônicos nos EUA
Greve dos roteiristas
Sindicato negocia ‘acordo final’ pelo fim da greve dos roteiristas em Hollywood
M1
Homem com doença terminal cardíaca recebe transplante de coração de porco
Agentes armados em região separatista
Separatistas de Nagorno-Karabakh entregam armas ao Azerbaijão e negociam retirada de tropas
CHILE
Golpe no Chile: Resolução de congressistas dos EUA pede desculpas
CAÇA
Militares dos EUA localizam caça que 'se camuflou' após piloto ejetar
EXTERIOR
Irã e EUA trocam prisioneiros após liberação de fundos iranianos
NO FUNDO DO MAR
O homem que sobreviveu por 60 horas em um barco afundado no fundo do mar

STF retoma julgamento sobre atendimento de pessoas trans no SUS

Sessão virtual começou hoje e vai até 28 de junho. O Supremo Tribunal Federal (STF) (foto) retomou nesta sexta-feira (21), em Brasília, a discussão sobre o atendimento de pessoas transexuais no Sistema Único de Saúde (SUS).  A Corte julga em plenário virtual a liminar proferida em 2021 pelo ministro Gilmar

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.