22/02/2024

Haddad prega cautela com mudanças no IR e diz que etapas da reforma tributária devem ser neutras

Ministro reforça que reforma não será usada para ajuste fiscal e defende que saldo das duas etapas não gerará aumento de carga tributária

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), afirmou, nesta quinta-feira (20), que as duas etapas da reforma tributária ‒ a primeira, que trata dos impostos sobre o consumo e já foi aprovada pela Câmara dos Deputados na forma de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC 45/2019), e a segunda, sobre a renda ‒ devem ser neutras, “inclusive entre si”, de modo a permitir que o sistema seja mais progressivo no longo prazo.

“A reforma do consumo e da renda não visa o ajuste fiscal. Elas têm que ser neutras, inclusive entre si. Porque se conseguirmos melhorar a arrecadação do ponto de vista de renda, como os países desenvolvidos fizeram, isso tem que ajudar a diminuir a alíquota do imposto sobre o consumo. O ideal de médio e longo prazo é combinarmos virtuosamente as duas reformas, no sentido de buscar a neutralidade e mudar a composição”, afirmou.

Haddad participou pela manhã do lançamento da Agenda de Reformas Financeiras ciclo 2023-2024, focada em um conjunto de medidas microeconômicas que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pretende entregar ao Congresso Nacional a partir do ano que vem.

Durante o evento, realizado no Palácio da Fazenda, no Rio de Janeiro, Haddad reiterou que o ajuste fiscal será feito a partir do enfrentamento aos chamados “gastos tributários” e o combate a “jabutis” e distorções no sistema de impostos vigente no Brasil.

“Nós estamos eliminando o gasto tributário, enfrentando questões judicializadas há muito tempo e que não se resolviam. Estamos acabando com os penduricalhos. Isso é o suficiente para fazer o ajuste fiscal, garantir crescimento, e, a partir dele, começar a fazer a calibragem do quanto vai ser possível de resultado primário, para recompormos o quadro fiscal saudável, uma carga tributária suportável e o crescimento econômico”, disse.

Questionado sobre o momento em que o governo deverá encaminhar a segunda parte da reforma tributária, com ações do lado da cobrança de impostos sobre a renda e o patrimônio, Haddad disse estar “cauteloso” e indicou que as discussões só devem começar depois que o Senado Federal concluir a análise da PEC que trata dos impostos sobre o consumo.

“O Senado está debruçado agora sobre a PEC da reforma sobre o consumo e ele quer, com razão, que o tema não saia da agenda. Ele quer discutir com a sociedade para dar o arremate final na reforma e ela não ser atropelada por outras temáticas que poderiam eventualmente prejudicar o bom andamento que ela vem tendo”, pontuou.

O ministro disse acreditar que o trabalho dos senadores será mais de “limar e lapidar” o texto que foi recebido da Câmara dos Deputados, mas disse que a casa revisora tem liberdade para implementar os ajustes que julgar necessários.

Por se tratar de Proposta de Emenda à Constituição, o texto precisa do apoio de 3/5 dos senadores (ou seja, pelo menos 49 dos 81 integrantes da casa) em dois turnos de votação em plenário. Caso ele seja aprovado com mudanças de mérito em relação à versão recebida dos deputados, é necessária nova análise da Câmara.

A PEC vai de uma casa para a outra (o chamado pingue-pongue) até que seja votada sem diferenças. Ela somente vai à promulgação do Congresso Nacional quando superadas essas divergências.

Na avaliação de Haddad, a segunda etapa da reforma tributária pode dar mais trabalho por ser “muito complexa” e não ter tido o mesmo nível de debates que a primeira, que já vinha sendo discutida pelo Congresso Nacional pelo menos desde 2019.

“Eu não estou me adiantando em relação à reforma do IR, primeiro porque ela é muito complexa. É mais complexa do que a do consumo? Como ela foi menos discutida, ela se torna mais complexa. A reforma do consumo acabou se tornando mais palatável porque foram anos de discussão”, afirmou.

 “A reforma sobre a renda vai precisar de um processo de amadurecimento”, disse o ministro. Segundo ele, é preciso que os atores políticos também discutam com sabedoria a possível transição para o novo modelo que será discutido, de modo a dar previsibilidade à sociedade.

“Precisamos resolver isso com inteligência, garantindo prazos de transição. Porque você não vai conseguir fazer a economia se adaptar a outro regime virando uma chave. Mas, se você fizer um bom desenho, você chega no resultado pretendido”, concluiu.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT) em entrevista coletiva

 (Foto: Fotos: Diogo Zacarias)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Ministro Barroso afirma que a alternância de poder é uma parte essencial da vida.
Ministro Barroso afirma que a alternância de poder é uma parte essencial da vida.
Lula busca sintonia com Lira para tocar acordos
Lula busca sintonia com Lira para tocar acordos
Decisão do STF contra réus do 8/1 é criticada por dupla punição e deve ser alvo de recursos
Decisão do STF contra réus do 8/1 é criticada por dupla punição e deve ser alvo de recursos
TCU pede informações ao governo sobre ações de combate a fraudes em compras internacionais
TCU pede informações ao governo sobre ações de combate a fraudes em compras internacionais
MARCO TEMPORAL
Marco temporal: a histórica vitória dos indígenas no Supremo
DINO
Lula é alertado sobre uma consequência negativa de indicar Dino ao STF
LULA
Lira alerta que governo deve ter cuidados com "excessos" da PF
LULA
Presidente Lula participa de jantar com empresários em Nova York
CONGRESSO
Candidaturas de mulheres e negros sob ataque em propostas no Congresso
voo
Lula vai para Cuba e Estados Unidos, e passa Presidência a Alckmin
RODRIGO
Senado vai apresentar PEC para criminalizar porte de drogas
XANDE
8/1: Defesa de acusado diz que julgamento é político; Moraes rebate

No Brasil, G20 inicia debates sobre aliança global contra a fome

O ministro do Desenvolvimento Social participou da abertura dos três dias de reuniões que discutirão o termo de adesão dos países ao projeto internacional O ministro Wellington Dias, do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, participou nesta quarta-feira (21/2) da primeira reunião da Força Tarefa do G20

Leia mais...

Saúde pública do DF terá o reforço de mais 741 profissionais

Contratação de 200 médicos temporários, 156 enfermeiros e demais profissionais foi anunciada pelo governador Ibaneis Rocha durante evento de combate à dengue no Sol Nascente/Pôr do Sol O Distrito Federal vai ganhar 741 profissionais da saúde para reforçar o quadro de atendimento à população. O anúncio foi feito pelo governador

Leia mais...

Volta às aulas conturbada no CEM 404 Santa Maria

Aluno armado com faca fere o sargento Daniel Matos Na manhã da terça-feira (20), por volta das 11 horas, os policiais do Batalhão Escolar, 1º Sgt Daniel Matos e o 2º Sgt Euzimar, foram solicitados pela diretora do CEM 404 Santa Maria para prestarem apoio, pois havia um aluno na

Leia mais...

Inscritos no programa de voluntariado da Codhab são convocados

Duzentas pessoas passarão por entrevista e análise curricular nos dias 28 e 29 de fevereiro A Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab-DF) convocou, nesta quarta-feira (20), os inscritos no programa de voluntariado. Ao todo, 200 pessoas foram alistadas no processo seletivo. O Edital nº 77/2024 foi publicado no

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.