23/06/2024

Invasões do MST avançam e deputados reagem no Congresso

 Retomada das invasões nesses 3 meses de
governo Lula faz deputados de direita se mobilizarem na Câmara para freá-las


(crédito: José Cruz/Agência Brasil)

A série de ocupações em terras deflagradas pelo Movimento
dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), nas últimas semanas, desencadeou pelo
menos três ofensivas no Congresso. Foram apresentadas duas propostas para
punir, de forma mais severa, quem avança sobre a propriedade rural, além da
mobilização para se instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito para
investigar o MST. Abril é considerado um mês fundamental para o movimento — a
série de invasões que promove é conhecida como “Abril Vermelho” —,
que voltou a atuar com a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em
apenas três meses de governo, o MST promoveu 13 ocupações, mais do que todo o
primeiro ano da gestão de Jair Bolsonaro (11) — veja infográfico abaixo.

Uma das iniciativas no Congresso contra o MST prevê
excluir invasores de terras dos programas fundiários. O PL 1.373/23, do
deputado Lázaro Botelho (Progressistas-TO), impede ocupantes de áreas não
produtivas de planos relacionados à reforma agrária, à regularização fundiária
ou a linhas de crédito voltadas para a pequena produção rural. A proposta tem
apoio da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

A FPA também articulou a unificação de três propostas
para instaurar uma CPI que investigue o movimento — conta, até agora, com 172
assinaturas, uma a mais que o necessário para protocolar o pedido. O deputado
Tenente Coronel Zucco (Republicanos-RS) conseguiu juntar os requerimentos dos
colegas Kim Kataguiri (União Brasil-SP) e Ricardo Salles (PL-SP), mas a
formação da comissão aguarda análise do presidente da Câmara dos Deputados,
Arthur Lira (PP-AL).

Em outra ofensiva, o deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS)
busca o apoio da FPA para aprovar um requerimento de urgência para a apreciação
do PL 8.262/17. A proposta permite a ação policial, sem a necessidade de ordem
judicial, para retirada de manifestantes de propriedades, desde que seja
apresentada escritura pública do imóvel, o que comprova a posse da terra.

“Está havendo uma série de invasões de terras no
Brasil, algo que não ocorreu nos últimos quatro anos. Com a chegada de Lula ao
poder, a gente percebe que o MST, na verdade, faz terrorismo ao fazer esse tipo
de ação. Está apenas buscando exercer influência política nesse momento de
início do governo, mas prejudicando, obviamente, quem produz, quem está no
campo”, argumenta Van Hattem.

“A impressão que dá é que a situação piorou muito,
porque, se no governo passado houve menos invasões em todos os quatro anos do
que agora, só no início do governo Lula deve ter algo de errado em relação à
proposta de reforma agrária do PT”, critica o parlamentar.

Diferença

Segundo o Instituto Nacional de Colonização e Reforma
Agrária (Incra), ao longo dos quatro anos de mandato do ex-presidente Jair
Bolsonaro foram registradas 62 ocupações de terra por movimentos sociais de
reforma agrária. A maioria se concentrou no último ano, com 23 ocorrências.

Em 2023, ainda segundo o Incra, foram comunicadas à
Câmara de Conciliação Agrária do órgão a ocupação de 13 áreas, e de outras seis
administradas pelo Instituto de Terras de São Paulo (Itesp). O MST discorda
desses números, mas reconhece que, em 2022, quando a estratégia de ocupações
foi retomada graças à maior imunização contra a covid-19, houve 37 ações.

Parlamentares governistas estão atentos a esses
movimentos e prometem reação. “Quantos deputados do partido Novo tem aqui?
Nossa bancada tem 69. Eles tinham nove e ficaram com três. Então, quem é essa
bancada de três que vai fazer aqui oposição sistemática neoliberal, a favor dos
banqueiros?”, ironiza Pedro Uczai (PT-SC). E acrescenta: “O que não
pode fazer é que um movimento social legítimo se criminalize, se demonize para
impedir o avanço da reforma agrária no país, o acesso à terra aos pequenos
agricultores, que querem somente produzir em um pedaço de chão”, afirma.

Uczai afirma que é preciso separar reivindicações sociais
de atuação política. “Sou parlamentar, governo é governo e movimento
social é movimento social. Por mais que tenham relações, do ponto de vista
político, com o governo ou com determinados projetos, eles têm autonomia e têm
que respeitar a legitimidade dos movimentos sociais. O governo tem que lidar e
enfrentar os problemas que se apresentam”, cobrou.

Ceres Hadich, da direção nacional do MST, salienta que a
reforma agrária “não é caso de polícia”. “O que precisamos é que
se cumpra a função social das terras ocupadas e que as famílias sejam
regularizadas nas áreas. A reforma agrária não é caso de polícia, é um conflito
social que precisa ser tratado com humanidade, e não com despejo e
violência”, salienta.

Para Ceres, as ações do MST nada têm de ilegais. “O
papel do governo é buscar saídas pacíficas para os conflitos agrários, visando
o desenvolvimento como caminho para a paz no campo. As ocupações são parte da
tática de lutas do MST para organizar o povo que precisa de terra e pressionar
o governo e a sociedade pela realização da reforma agrária. Seguirão existindo
enquanto houver terra sem gente e gente sem terra”, alertou. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Ministro Barroso afirma que a alternância de poder é uma parte essencial da vida.
Ministro Barroso afirma que a alternância de poder é uma parte essencial da vida.
Lula busca sintonia com Lira para tocar acordos
Lula busca sintonia com Lira para tocar acordos
Decisão do STF contra réus do 8/1 é criticada por dupla punição e deve ser alvo de recursos
Decisão do STF contra réus do 8/1 é criticada por dupla punição e deve ser alvo de recursos
TCU pede informações ao governo sobre ações de combate a fraudes em compras internacionais
TCU pede informações ao governo sobre ações de combate a fraudes em compras internacionais
MARCO TEMPORAL
Marco temporal: a histórica vitória dos indígenas no Supremo
DINO
Lula é alertado sobre uma consequência negativa de indicar Dino ao STF
LULA
Lira alerta que governo deve ter cuidados com "excessos" da PF
LULA
Presidente Lula participa de jantar com empresários em Nova York
CONGRESSO
Candidaturas de mulheres e negros sob ataque em propostas no Congresso
voo
Lula vai para Cuba e Estados Unidos, e passa Presidência a Alckmin
RODRIGO
Senado vai apresentar PEC para criminalizar porte de drogas
XANDE
8/1: Defesa de acusado diz que julgamento é político; Moraes rebate

Brasília sediará Congresso Internacional Cidades Lixo Zero

O Serviço de Limpeza Urbana (SLU) se une a especialistas globais para promover práticas sustentáveis e políticas de lixo zero Entre 25 e 27 de junho, Brasília será o palco da terceira edição do Congresso Internacional Cidades Lixo Zero. O evento, que será realizado no Museu Nacional da República, conta

Leia mais...

Mais de 1,5 milhão de pessoas atendidas pelos programas sociais do GDF

Do Cartão Prato Cheio ao Cartão Gás, passando pela Política de Assistência Estudantil, benefícios geraram, desde 2019, investimento de R$ 1,9 bilhão, beneficiando famílias em situação de vulnerabilidade social e impulsionando a economia Investir em pessoas e no desenvolvimento delas é uma ação perene do Governo do Distrito Federal (GDF).

Leia mais...

STF retoma julgamento sobre atendimento de pessoas trans no SUS

Sessão virtual começou hoje e vai até 28 de junho. O Supremo Tribunal Federal (STF) (foto) retomou nesta sexta-feira (21), em Brasília, a discussão sobre o atendimento de pessoas transexuais no Sistema Único de Saúde (SUS).  A Corte julga em plenário virtual a liminar proferida em 2021 pelo ministro Gilmar

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.