28/02/2024

Lula mantém silêncio sobre invasões do MST em fazendas da Bahia

 Presidente se omite de comentar a respeito das ocupações feitas pelo movimento. Frente Parlamentar da Agropecuária condena ações


Em Mato Grosso, Lula disse que a fome no Brasil é
inexplicável, porque o país é um dos maiores produtores mundiais de alimentos –
(crédito: Ricardo Stuckert/PR)

As invasões deflagradas pelo Movimento dos Trabalhadores
Sem Terra (MST) aumentam o desgaste do governo federal com o agronegócio, setor
que era alinhado à gestão Bolsonaro. Mesmo assim, o presidente Luiz Inácio Lula
da Silva mantém silêncio sobre as ocupações. O chefe do Executivo esteve ontem
na cidade de Rondonópolis, em Mato Grosso — um dos estados de maior produção
agrícola do país —, e em nenhum momento abordou o assunto.

Desde a última segunda-feira, integrantes do MST
invadiram cinco fazendas, três delas da empresa Suzano Papel e Celulose, no sul
e no norte da Bahia, onde é cultivado eucalipto. Ontem, uma delas, que não
pertence à companhia, foi desocupada.

Em reação, a bancada ruralista no Congresso divulgou uma
nota, na sexta-feira (3/3), classificando os atos como resultado de uma
“conivência histórica com a impunidade”. “É o caminhar, lado a
lado, por parte de alguns, com a depreciação da ordem e da lei”, sustenta
a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). “De maneira equivocada,
instalou-se no país uma ideia de que há qualquer tipo de heroísmo anexo à
ilicitude, ou ainda, que se pode enxergar direitos na barbárie. Independente da
violação, se procura, tão ineficaz quanto a pior desculpa, uma motivação para o
cometimento de crimes.”

A FPA é formada por deputados e senadores que defendem os
interesses do agronegócio, incluindo parlamentares que são donos de terras. A
bancada é uma das maiores do Congresso, junto com a Frente Parlamentar
Evangélica e a Frente Parlamentar da Segurança Pública.

Os parlamentares também enfatizaram serem contra
“qualquer tipo de invasão” e que defendem o direito à propriedade
privada. “Necessário acrescentar que a invasão, seja qual for a gravidade
e as consequências, traz prejuízo permanente aos produtores rurais, que além de
utilizarem a terra como moradia fazem dela a atividade laboral diária. Sem
contar, obviamente, os danos econômicos ao setor produtivo e à nação”,
argumentam.

A nota não cita o presidente Lula ou ações do governo
federal, mas é considerada uma crítica velada. Durante a campanha eleitoral, o
chefe do Executivo citou constantemente o MST e ressaltou que o movimento não
ocuparia terras produtivas.

Entidades que representam grandes produtores também se
manifestaram condenando as ocupações. Entre elas, estão a Indústria Brasileira
de Árvores (Ibá), a Sociedade Rural Brasileira (SRB) e a Coalizão Brasil Clima,
Florestas e Agricultura. Elas cobram ações do governo federal para desocupar as
propriedades.

Acordo

O MST argumenta que as propriedades ocupadas na Bahia não
têm função social e que o plantio intensivo do eucalipto prejudica o meio
ambiente e as terras de famílias camponesas. A organização também frisa que a
Suzano desrespeitou um acordo feito com o MST há 10 anos, segundo o qual áreas
das fazendas seriam destinadas ao assentamento de 450 famílias.

A Suzano, por sua vez, ressalta que não houve quebra do
acordo e que a ocupação é ilegal. A empresa afirma que as terras não foram
entregues ainda porque isso depende de processos do Incra, o que não ocorreu.

Ontem, representantes do MST reuniram-se com o presidente
do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Cesar Fernando
Aldrighi, em Brasília. Ele foi nomeado na segunda-feira, e já ocupava o cargo.
O movimento criticava a demora de Lula em definir a chefia do órgão e agora
cobra que as superintendências estaduais também sejam anunciadas.

“Na pauta, questões emergenciais, como a nomeação
dos órgãos regionais, a mediação de conflitos e o assentamento das famílias.
Além disso, temas estratégicos, como um plano de metas para assentamento e um
plano nacional de alimentação, foram abordados”, diz o MST a respeito do
encontro no Incra.

Em Rondonópolis, onde participou da cerimônia de entrega
de 1.400 residências do Minha Casa Minha Vida, Lula afirmou que a fome no
Brasil é inexplicável, uma vez que o país é um dos maiores produtores mundiais
de alimento. “Foi aqui neste estado, que é um dos maiores criadores de
gado e maior produtor de grãos deste país, que apareceu uma mulher na porta de
um açougue recebendo um osso para fazer uma sopa dentro de casa. Não é
explicável no país que é o terceiro produtor de alimento do planeta, maior
produtor de proteína do mundo, a gente ter 33 milhões de pessoas passando
fome”, criticou.

O petista disse que houve redução no preço da carne.
“Não sei se vocês perceberam que o preço da carne já caiu 15%, e é preciso
cair mais. Vai levar um tempo para a gente consertar este país. Não é uma coisa
tão fácil.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Ministro Barroso afirma que a alternância de poder é uma parte essencial da vida.
Ministro Barroso afirma que a alternância de poder é uma parte essencial da vida.
Lula busca sintonia com Lira para tocar acordos
Lula busca sintonia com Lira para tocar acordos
Decisão do STF contra réus do 8/1 é criticada por dupla punição e deve ser alvo de recursos
Decisão do STF contra réus do 8/1 é criticada por dupla punição e deve ser alvo de recursos
TCU pede informações ao governo sobre ações de combate a fraudes em compras internacionais
TCU pede informações ao governo sobre ações de combate a fraudes em compras internacionais
MARCO TEMPORAL
Marco temporal: a histórica vitória dos indígenas no Supremo
DINO
Lula é alertado sobre uma consequência negativa de indicar Dino ao STF
LULA
Lira alerta que governo deve ter cuidados com "excessos" da PF
LULA
Presidente Lula participa de jantar com empresários em Nova York
CONGRESSO
Candidaturas de mulheres e negros sob ataque em propostas no Congresso
voo
Lula vai para Cuba e Estados Unidos, e passa Presidência a Alckmin
RODRIGO
Senado vai apresentar PEC para criminalizar porte de drogas
XANDE
8/1: Defesa de acusado diz que julgamento é político; Moraes rebate

Nomeados mais 83 agentes de Vigilância Ambiental

Convocação dos novos servidores aprovados foi publicada no DODF desta terça-feira (27) Na edição desta terça (27) do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), o GDF publicou 83 novas nomeações para o cargo de agente de Vigilância Ambiental em Saúde. A convocação é destinada a preencher os 150 cargos previstos

Leia mais...

Portaria reforça regras para uso correto do Cartão Mobilidade no DF

Orientações da Secretaria de Transportes e Mobilidade estão publicadas na edição desta terça-feira (27) do DODF O uso do Cartão Mobilidade pelos passageiros do Sistema de Transporte Público Coletivo está regulamentado pela Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob) em portaria publicada na edição desta terça-feira (27) do Diário Oficial do

Leia mais...

Faço da prioridade da população a minha prioridade.

Bem articulado com todos os Poderes de Novo Gama, dentre eles o Executivo,  com DF e demais município do Entorno, Renato Caldas mostra a que veio. Renato Caldas é reconhecido como um dos vereadores mais atuantes de Novo Gama. Sua dedicação e comprometimento com a comunidade são admiráveis, sempre buscando

Leia mais...

Combate à dengue é tema de quatro cursos online para servidores

Formações são indicadas para profissionais da educação e da saúde. As aulas são gratuitas e online, podendo ser assistidas a qualquer momento pelos participantes A Escola Superior de Ciências da Saúde (Escs) oferece quatro cursos relacionados ao combate à dengue para servidores da saúde e da educação. As capacitações são

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.