16/06/2024

Moraes manda soltar 4 presos por suspeita de fraude em cartões

Moraes determinou a soltura de investigados por participar em sistema de fraude em cartões de Jair Bolsonaro e pessoas de seu núcleo

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou soltar quatro suspeitos de envolvimento em esquema de fraude nos cartões de vacinação do ex-presidente da República Jair Bolsonaro (PL) e de pessoas em seu entorno.

Os quatro novos nomes com a soltura determinada são o sargento Luís Marcos dos Reis; o ex-major do Exército Ailton Gonçalves Moraes Barros; o militar do Exército Sérgio Cordeiro; e o ex-secretário municipal de Governo de Duque de Caxias (RJ) João Carlos de Sousa Brecha.

Foi esse mesmo esquema que levou o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro Mauro Cid à prisão em 3 de maio. Este foi solto no início do mês, após Moraes homologar um acordo de delação premiada firmado entre Cid e a Polícia Federal (PF).

Em quatro decisões diferentes, Moraes determinou a liberdade provisória, com o uso de tornozeleira eletrônica, além de outras condicionantes para a manutenção da liberdade.

Além disso, os suspeitos ficam proibidos de usar redes sociais, de se comunicar com os demais envolvidos e terão passaportes cancelados.

Prisões

Em 3 de maio, todos acabaram presos pela PF. A corporação investiga uma associação criminosa acusada pelos crimes de inserção de dados falsos de vacinação contra Covid-19 nos sistemas SI-PNI e RNDS, do Ministério da Saúde. A operação também foi autorizada por Moraes.

De acordo com informações apuradas pela PF, as inserções falsas no sistema do MS ocorreram entre novembro de 2021 e dezembro de 2022.

O grupo é investigado por fraudar o sistema e conseguir emitir os respectivos certificados de vacinação para utilizá-los a fim de burlar as restrições sanitárias vigentes imposta pelos poderes públicos, dos Estados Unidos e Brasil.

Até o momento, foram soltos:

•             Mauro Cid Barbosa, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), após fechar acordo de delação premiada e ter o acordo homologado por Moraes, em 9 de setembro

•             Policial militar Max Guilherme, que atuou na segurança presidencial (solto em 7 de setembro)

•             Militar do Exército Sérgio Cordeiro, que também atuava na proteção pessoal de Bolsonaro

•             Ex-secretário municipal de Governo de Duque de Caxias (RJ) João Carlos de Sousa Brecha

•             Sargento Luís Marcos dos Reis

•             Ex-major do Exército Ailton Gonçalves Moraes Barros

De acordo com a PF, eles estão sendo investigados pelos crimes de infração de medida sanitária preventiva, associação criminosa, inserção de dados falsos em sistemas de informação e corrupção de menores.

Em quatro decisões diferentes, Moraes determinou a liberdade provisória, com o uso de tornozeleira eletrônica, além de outras condicionantes para a manutenção da liberdade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Copa do Brasil: ministérios fazem ação conjunta contra racismo no futebol
Copa do Brasil: ministérios fazem ação conjunta contra racismo no futebol
VACINA
Dengue: Butantan desenvolve vacina em dose única
MARCO TEMPORAL
Com 5 a 2 contra o Marco Temporal, STF retoma análise do tema na 5ª
BAHIA
Sobe para 9 número de suspeitos mortos em operação policial na Bahia
PREFEITO CASTRADOR
Solidariedade expulsa prefeito que sugeriu castrar mulheres no RJ
rio
Prefeito de cidade no RJ sugere castrar mulheres para controlar nascimentos
BRASIL
Ministério cria GT para frear violência contra indígenas no Amazonas
LULA
Lula anuncia que prefeituras vão receber, no mínimo, repasses de 2022
NUNES
Nunes Marques vota para condenar réu do 8 de janeiro a 2 anos e seis meses de prisão
LULU
Lula dá posse a novos ministros em cerimônia fechada no Planalto
RS
Sobe para 47 número de mortos pelas chuvas no Rio Grande do Sul
RS
Rio Grande do Sul tem sete rodovias bloqueadas após os temporais

Justiça expede mandado de prisão contra Maurício Sampaio

Defesa prepara um novo habeas corpus O Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) expediu na tarde desta sexta-feira (14), os mandados de prisão de Maurício Sampaio e policial militar reformado Ademá Figueiredo, condenados pelo assassinato do radialista Valério Luiz de Oliveira em 2012. O despacho foi assinado pelo juiz Lourival

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.