22/02/2024

Vladimir Putin mira líderes da revolta

Em pronunciamento, presidente afirmou que organizadores da rebelião do grupo Wagner serão levados à Justiça e diz que mercenários podem lutar pelo país, ir para casa ou seguir para Belarus. Prigozhin negou intenção de tomar o poder

Após dois dias em silêncio, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, fez um pronunciamento em rede nacional na noite de ontem — ainda tarde em Brasília — em que procurou passar ao país uma imagem de força e de controle da situação. Nos cinco minutos de discurso, o líder russo afirmou ter comandado a negociação para conter a rebelião do grupo paramilitar Wagner e assegurou que os líderes do motim serão julgados, poupando os que não aderiram ao movimento. Putin ofereceu aos mercenários três alternativas: ir para Belarus, que mediou o fim da revolta, retornar para casa ou lutar pela Rússia.

“Desde o início dos eventos, foram tomadas medidas seguindo as minhas instruções diretas para evitar um grande derramamento de sangue”, disse o presidente russo, afirmando que o Ocidente e a Ucrânia desejavam “um resultado fratricida”. Ele assegurou que os revoltosos seriam reprimidos de qualquer forma e não chegariam à capital russa.

No discurso, Putin não fez qualquer menção nominal a Yevgeny Prigozhin, o líder do grupo Wagner, que conduziu seus homens da Ucrânia, onde lutavam contra as forças de Volodymyr Zelensky, rumo a Moscou. “Temos que pensar nas pessoas que decidiram tomar essa ação, que teria consequências trágicas para o país”, frisou.

Horas antes da fala de Putin, Prigozhin divulgou uma longa mensagem de áudio negando que tivesse a intenção de tomar o poder na Rússia. A rebelião de Prigozhin, um oligarca e então aliado de Putin, durou menos de 24 horas e terminou no sábado. Ele justificou ter iniciado o motim porque queria salvar sua organização e colocar em evidência os “graves problemas de segurança” no país.

“O objetivo da marcha era não permitir a destruição do Grupo Wagner e responsabilizar aqueles que, com suas ações pouco profissionais, cometeram um número considerável de erros durante a operação militar especial na Ucrânia”, disse Prigozhin, sem revelar seu paradeiro. Conforme o acordo mediado pelo presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, ele deveria se exiliar em Belarus.

Há meses, o líder do Wagner acusa o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, e o chefe do Estado-Maior russo, Valery Gerasimov, de incompetência e de terem enviado dezenas de milhares de soldados para uma morte certa. Segundo ele, o ministério tentou desmantelar a milícia para absorvê-la dentro do Exército e depois bombardeou um de seus acampamentos, matando 30 pessoas, uma acusação que o exército russo nega.

Traição

Putin voltou a acusar o chefe do Grupo Wagner, desta vez sem nominá-lo, de ter “traído o seu país e seu povo”, ao mesmo tempo em que mentia para seus homens. “Os organizadores dessa rebelião não podem deixar de entender que serão levados à Justiça”, asseverou. Prigozhin encerrou sua rebelião no sábado em troca da promessa de imunidade.

Àqueles que resistiram ao comando do líder mercenário, Putin fez um agradecimento. “A solidariedade cívica mostrou que qualquer tentativa de chantagem para criar agitação interna está fadada ao fracasso”, observou. E deu a eles garantia de segurança. “Eles têm a opção de continuar servindo à Rússia com um contrato junto ao Ministério da Defesa ou outros órgãos encarregados da aplicação da lei, ou retornar para suas famílias e entes queridos (…) Quem quiser pode ir para Belarus”, disse.

Depois do pronunciamento, o presidente russo reuniu seu gabinete de segurança. Segundo o Kremlin, entre os participantes estavam o procurador-geral, Igor Krasnov; o ministro do Interior, Vladimir Kolokoltsev; o ministro da Defesa, Sergei Shoigu; o diretor do FSB (serviço federal de segurança), Alexander Bortnikov, e o chefe da Guarda Nacional, Viktor Zolotov, entre outros.

Ao longo de todo o dia de ontem, autoridades russas procuraram projetar um clima de normalidade no país. Ainda pela manhã, Putin surgiu pela primeira vez após o fim da revolta armada num vídeo em que se dirigia a um fórum dedicado à juventude e à indústria, sem mencionar a crise. De acordo com o Kremlin, ele recebeu o presidente iraniano, Ebrahim Raisi, e o emir do Catar, xeque Tamim bin Hamad Al-Thani, que demonstraram apoio a Moscou.

O ministro da Defesa, que sumiu durante a revolta, reapareceu, também em um vídeo, inspecionando tropas na Ucrânia. Além disso, as autoridades anunciaram o fim do “regime de operações antiterroristas” na região de Moscou e de Voronezh, ao sul da capital, um sinal de retorno à rotina após o maior desafio enfrentado por Putin desde sua chegada ao poder, em 1999.

O ministro da Defesa, que sumiu durante a revolta, reapareceu, também em um vídeo, inspecionando tropas na Ucrânia

(crédito: Fotos: AFP)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Líder da máfia italiana, Matteo Denaro morre aos 61 anos
Líder da máfia italiana, Matteo Denaro morre aos 61 anos
Joe Biden;  Estados Unidos
Os Estados Unidos reconhecem as Ilhas Cook e Niue como nações independentes
ESP
As imagens falsas de crianças nuas geradas por Inteligência Artificial que chocaram cidade da Espanha
Xenotransprante: Médicos americanos realizam 2º transplante de coração de porco em humanos
Xenotransprante: Médicos americanos realizam 2º transplante de coração de porco em humanos
Crianças roubam carro da mãe após perderem acesso a dispositivos eletrônicos nos EUA
Crianças roubam carro da mãe após perderem acesso a dispositivos eletrônicos nos EUA
Greve dos roteiristas
Sindicato negocia ‘acordo final’ pelo fim da greve dos roteiristas em Hollywood
M1
Homem com doença terminal cardíaca recebe transplante de coração de porco
Agentes armados em região separatista
Separatistas de Nagorno-Karabakh entregam armas ao Azerbaijão e negociam retirada de tropas
CHILE
Golpe no Chile: Resolução de congressistas dos EUA pede desculpas
CAÇA
Militares dos EUA localizam caça que 'se camuflou' após piloto ejetar
EXTERIOR
Irã e EUA trocam prisioneiros após liberação de fundos iranianos
NO FUNDO DO MAR
O homem que sobreviveu por 60 horas em um barco afundado no fundo do mar

No Brasil, G20 inicia debates sobre aliança global contra a fome

O ministro do Desenvolvimento Social participou da abertura dos três dias de reuniões que discutirão o termo de adesão dos países ao projeto internacional O ministro Wellington Dias, do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, participou nesta quarta-feira (21/2) da primeira reunião da Força Tarefa do G20

Leia mais...

Saúde pública do DF terá o reforço de mais 741 profissionais

Contratação de 200 médicos temporários, 156 enfermeiros e demais profissionais foi anunciada pelo governador Ibaneis Rocha durante evento de combate à dengue no Sol Nascente/Pôr do Sol O Distrito Federal vai ganhar 741 profissionais da saúde para reforçar o quadro de atendimento à população. O anúncio foi feito pelo governador

Leia mais...

Volta às aulas conturbada no CEM 404 Santa Maria

Aluno armado com faca fere o sargento Daniel Matos Na manhã da terça-feira (20), por volta das 11 horas, os policiais do Batalhão Escolar, 1º Sgt Daniel Matos e o 2º Sgt Euzimar, foram solicitados pela diretora do CEM 404 Santa Maria para prestarem apoio, pois havia um aluno na

Leia mais...

Inscritos no programa de voluntariado da Codhab são convocados

Duzentas pessoas passarão por entrevista e análise curricular nos dias 28 e 29 de fevereiro A Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab-DF) convocou, nesta quarta-feira (20), os inscritos no programa de voluntariado. Ao todo, 200 pessoas foram alistadas no processo seletivo. O Edital nº 77/2024 foi publicado no

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.