21/06/2024

Lojista ameaça invasores em BH: “Se entrar sem permissão, apanha ou morre”

Com um aviso equivalente a placas de “cachorro bravo”,
o comerciante colou um recado mais agressivo em sua loja, que é constantemente
invadida


(crédito: EM/D.A Press)

Uma placa de suposta ameaça está intrigando quem passa pela
Avenida Silviano Brandão, no Bairro Sagrada Família, Região Leste de Belo
Horizonte. Cansado de ter a loja invadida, um comerciante colocou um aviso na
porta do estabelecimento: “Estou monitorando 24 horas por dia. Se entrar
sem permissão, irá apanhar ou morrer”.

Segundo o dono, que preferiu não se identificar, a única
finalidade é “intimidar os mendigos e os usuários de droga que estão
invadindo a loja, para que não entrem”. Ele comprou o local há seis meses
para alugar e nesse período, afirma que já sofreu cerca de 20 assaltos e
invasões.

“Esse imóvel estava fechado há muitos anos, o antigo
dono tinha as mesmas reclamações. Fiz boletim de ocorrência uma vez, mas
continuaram entrando e roubando o que tem lá dentro. É torneira, porta, fiação,
telhado, caixa d’água, quebram granito e até fogueira teve. Já que não
resolveu, fiz essa placa há uma semana e colei na porta. A região está
perigosa”, diz o comerciante.

Embora a placa esteja em um tom mais agressivo, ele garante
que não fez nenhuma das ações. “Direto eu preciso entrar lá, pedir para
eles saírem. Mesmo assim, não encostei a mão em ninguém, eles que são
agressivos comigo. Eu jogo água no chão para saírem e evitar que voltem. Até o
vidro da porta já foi quebrado para entrarem”, desabafa.

A placa é legal?

No sentido jurídico da palavra, sim, a placa é legal. De
acordo com Matheus Falivene, doutor e mestre em Direito Penal, ela se enquadra
em algo conhecido por “ofendículo” e o comerciante não pode ser
penalizado por, simplesmente, colar uma placa em tom de ameaça à sua
propriedade.

“Essa placa é equivalente a ofendículos, como são cacos
de vidro no muro, placas de cão bravo ou cachorro de guarda. Ele tem o direito
de fazer isso e não é crime. A lei diz que a pessoa pode ter esse tipo de meio
para defender a sua propriedade e sabemos que a segurança pública às vezes não
dá conta. Apesar de ser num tom mais rude, ele não está ameaçando diretamente
alguém”, explica.

O advogado também esclarece que quando alguém entra em um
local privado, o proprietário pode rejeitar a agressão. “A legítima defesa
deve ser equivalente ao risco que a vítima está sofrendo. Por exemplo, numa
invasão de domicílio, o dono pode utilizar de meios para colocar essa pessoa
fora e, no Brasil, não é permitido matar alguém que invade a propriedade. Cada
caso deve ser analisado, mas isso, em tese, só pode acontecer se o invasor
oferecer risco de morte para o dono”.

Para o comerciante, ele não fez uma ofensa direcionada.
“Não estou ameaçando ninguém, não tem nome, raça, cor, gênero, nada. É só
para intimidá-los e afastar da minha loja”, finaliza. Segundo a Polícia
Militar, o boletim de ocorrência de furto na propriedade foi registrado em 19
de dezembro do ano passado e uma visita de orientação foi feita no início de
janeiro.

Fonte: Correio Braziliense

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Copa do Brasil: ministérios fazem ação conjunta contra racismo no futebol
Copa do Brasil: ministérios fazem ação conjunta contra racismo no futebol
VACINA
Dengue: Butantan desenvolve vacina em dose única
MARCO TEMPORAL
Com 5 a 2 contra o Marco Temporal, STF retoma análise do tema na 5ª
MORAES
Moraes manda soltar 4 presos por suspeita de fraude em cartões
BAHIA
Sobe para 9 número de suspeitos mortos em operação policial na Bahia
PREFEITO CASTRADOR
Solidariedade expulsa prefeito que sugeriu castrar mulheres no RJ
rio
Prefeito de cidade no RJ sugere castrar mulheres para controlar nascimentos
BRASIL
Ministério cria GT para frear violência contra indígenas no Amazonas
LULA
Lula anuncia que prefeituras vão receber, no mínimo, repasses de 2022
NUNES
Nunes Marques vota para condenar réu do 8 de janeiro a 2 anos e seis meses de prisão
LULU
Lula dá posse a novos ministros em cerimônia fechada no Planalto
RS
Sobe para 47 número de mortos pelas chuvas no Rio Grande do Sul

Leilão de arroz: presidente da Comissão de Agricultura fala em fraude

Ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, prestou esclarecimentos à Comissão na Câmara sobre leilão para compra de arroz feito pelo governo O presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES), chamou o leilão de arroz realizado pelo governo federal de “esquema fraudulento”. O

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.