28/02/2024

Novas regras para laqueadura: veja o que muda a partir do mês de março

 A lei que trata
sobre o procedimento contraceptivo foi alterada no final do governo Bolsonaro,
que facilitou o acesso à cirurgia


(crédito: Reprodução/Freepik)

A partir do dia 5 de março entram em vigor as novas
regras para a realização do procedimento de ligadura das trompas femininas,
conhecido como laqueadura. As alterações representam um avanço nos direitos
reprodutivos das mulheres, já que deixou de lado a obrigatoriedade da
autorização conjugal para realizar a cirurgia.

As mudanças foram aprovadas em 2 de setembro de 2022, por
meio de alterações na Lei nº 9.263, que trata sobre o oferecimento de métodos e
técnicas contraceptivas. Com a nova Lei, a 14.443, que modificou a anterior,
homens e mulheres com 21 anos de idade ou mais, ou então, independente da
idade, que tenham pelo menos dois filhos vivos, podem solicitar a laqueadura ou
vasectomia.

Além disso, a nova legislação revogou o artigo que, nos
casos de “sociedade conjugal”, ou seja, casamento ou união estável, exigia o
“consentimento expresso de ambos os cônjuges”. Isso significa que para realizar
a laqueadura a mulher precisava também da autorização do marido, mas, a partir
desta semana, basta a aprovação da própria paciente para que a cirurgia seja
feita.

Outro avanço foi a autorização para realizar a laqueadura
no momento do parto. Antes, a esterilização cirúrgica era vedada logo após o
nascimento ou aborto espontâneo, “exceto nos casos de comprovada necessidade,
por cesarianas sucessivas anteriores”. Assim, a nova lei estabelece que “a esterilização
cirúrgica em mulher durante o período de parto será garantida à solicitante se
observados o prazo mínimo de 60 dias entre a manifestação da vontade e o parto
e as devidas condições médicas”.

Tanto a cirurgia de laqueadura, quanto os métodos contraceptivos,
que agora devem ser disponibilizado no prazo máximo de até 30 dias após a
solicitação, devem estar à disposição das mulheres por meio do Sistema Único de
Saúde (SUS). “A mudança vai fazer a diferença na vida das mulheres e das
famílias, quando ainda hoje existem meios diferentes de acesso ao método
contraceptivo entre homens e mulheres”, disse a deputada federal Soraya Santos
(PL-RJ), relatora da proposta de lei, durante votação na Câmara dos Deputados
em março de 2022.

Como era e o que muda com as novas regras para realização
da laqueadura e disponibilização de métodos e procedimentos contraceptivos no
Brasil

O que é a laqueadura

A laqueadura é uma cirurgia contraceptiva, ou seja, ela
tem o objetivo de fazer com que a mulher não engravide. Essa intervenção também
pode ser feita no homem e se chama vasectomia.

Na prática, a mulher é submetida a um procedimento
cirúrgico em que as tubas uterinas são obstruídas, cortadas ou amarradas para
impedir que o óvulo encontre o espermatozoide e gere o embrião. Esse método
contraceptivo tem eficácia de mais de 99%. Em alguns casos, esse procedimento
pode ser revertido e a mulher voltar a ter chances maiores de engravidar, mas
não é algo tão simples.

“A laqueadura é um método contraceptivo feminino
considerado definitivo, porém é um método reversível. O procedimento é feito de
forma que acaba obstruindo as trompas de alguma forma: seja dando ponto, seja
cortando um pedaço, seja só seccionando e colocando um grampo, um clipe metálico.
Quando a gente vai fazer uma reversão, a gente precisa saber se o que ficou
daquela trompa pode ser utilizado, então a gente precisa saber qual foi a
técnica que foi utilizada, se não tiver como descobrir, como é a maioria dos
casos, não tem como reverter”, explica a ginecologista Tatianna Ribeiro, da
clínica Rehgio.

A médica ressalta que se o método utilizado não deixar
margem nas trompas para que elas sejam ligadas novamente, a reversão se torna
impossível. “Além disso, muitos profissionais não querem fazer essa cirurgia de
reversão. Isso vai aumentar o risco para paciente, aumentar risco de gravidez
ectópica. Ao meu entender, com a reversão, eu estou piorando o futuro
reprodutivo dessa paciente e a saúde dela, porque uma gravidez na trompa pode
levar à óbvio, pode levar outro procedimento cirúrgico, ela pode ter muitas
outras complicações”, alerta a ginecologista.

Para as pacientes que se submeteram à laqueadura e querem
engravidar novamente, a médica indica a fertilização in vitro, “porque eu não
preciso de trompa para fazer uma fertilização, eu vou gerar o embrião no
laboratório e vou transferir esse embriãozinho para dentro do útero dela,
diretamente”.

Apesar disso, o procedimento em si é de baixo risco.
Ribeiro salientou que é uma cirurgia rápida, com duração média de uma hora, e
pode ser feita por videolaparoscopia, um método minimamente invasivo. Nesse
último caso, a cirurgia leva cerca de 10 a 15 minutos. “Não há contra indicação
médica para fazer a laqueadura tubária”, completou a ginecologista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7R contabilidade e assessoria empresarial Santa Maria Brasilia DF
Leia também
Copa do Brasil: ministérios fazem ação conjunta contra racismo no futebol
Copa do Brasil: ministérios fazem ação conjunta contra racismo no futebol
VACINA
Dengue: Butantan desenvolve vacina em dose única
MARCO TEMPORAL
Com 5 a 2 contra o Marco Temporal, STF retoma análise do tema na 5ª
MORAES
Moraes manda soltar 4 presos por suspeita de fraude em cartões
BAHIA
Sobe para 9 número de suspeitos mortos em operação policial na Bahia
PREFEITO CASTRADOR
Solidariedade expulsa prefeito que sugeriu castrar mulheres no RJ
rio
Prefeito de cidade no RJ sugere castrar mulheres para controlar nascimentos
BRASIL
Ministério cria GT para frear violência contra indígenas no Amazonas
LULA
Lula anuncia que prefeituras vão receber, no mínimo, repasses de 2022
NUNES
Nunes Marques vota para condenar réu do 8 de janeiro a 2 anos e seis meses de prisão
LULU
Lula dá posse a novos ministros em cerimônia fechada no Planalto
RS
Sobe para 47 número de mortos pelas chuvas no Rio Grande do Sul

Faço da prioridade da população a minha prioridade.

Bem articulado com todos os Poderes de Novo Gama, dentre eles o Executivo,  com DF e demais município do Entorno, Renato Caldas mostra a que veio. Renato Caldas é reconhecido como um dos vereadores mais atuantes de Novo Gama. Sua dedicação e comprometimento com a comunidade são admiráveis, sempre buscando

Leia mais...

Combate à dengue é tema de quatro cursos online para servidores

Formações são indicadas para profissionais da educação e da saúde. As aulas são gratuitas e online, podendo ser assistidas a qualquer momento pelos participantes A Escola Superior de Ciências da Saúde (Escs) oferece quatro cursos relacionados ao combate à dengue para servidores da saúde e da educação. As capacitações são

Leia mais...

DF ultrapassa um milhão de cadastros atualizados no SUS

Mais de 97% das atualizações do Recadastra SUS foram feitas presencialmente; com dados dos usuários mais confiáveis, a rede pública consegue otimizar a fila de espera por exames e consultas Sete meses após lançar a campanha Recadastra SUS, o Distrito Federal chegou a 1.054.928 cadastros atualizados no Sistema Único de

Leia mais...

Caesb disponibiliza serviço gratuito de autoleitura de hidrômetros

Todos os clientes da companhia podem aderir à iniciativa, especialmente aqueles que não conseguem receber leiturista em casa durante o dia Pensando no conforto e bem-estar dos brasilienses, a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) disponibiliza o serviço de autoleitura, no qual o próprio usuário fornece a leitura

Leia mais...

A sua privacidade é importante para o Tribuna Livre Brasil. Nossa política de privacidade visa garantir a transparência e segurança no tratamento de seus dados pessoais.